PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Vivara e Grupo Pão de Açúcar: duas empresas com estratégias para crescer

A estratégia de expansão do GPA (PCAR3) vem tomando cada vez mais forma após a cisão do Assaí (ASAI3) - Nacho Doce
A estratégia de expansão do GPA (PCAR3) vem tomando cada vez mais forma após a cisão do Assaí (ASAI3) Imagem: Nacho Doce
Exclusivo para assinantes UOL Economia+

Felipe Bevilacqua

02/06/2021 08h38

No Investigando o Mercado de hoje, vamos conversar sobre os rumores da aquisição da H. Stern pela Vivara (VIVA3) e sobre a estratégia adotada pelo Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) para ampliar sua presença no mundo online.

O UOL Economia tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Confira a seguir a análise de Felipe Bevilacqua, analista e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e análises de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimentos. Este conteúdo é exclusivo para os leitores de UOL Economia+. Conheça os recursos do serviço de orientação financeira UOL Economia+, para quem quer investir melhor.

VIVARA: Aquisição improvável? Talvez nem tanto

Desde o início da semana circulam no mercado rumores da aquisição da joalheria H. Stern pela gigante do setor Vivara (VIVA3). A companhia informou que não comenta rumores e não teria nada avançado em termos de fusão e aquisição dentro da empresa.

A Vivara vem focando o uso de seus recursos na expansão das lojas físicas, de modo a ampliar sua presença. Além disso, acelerou investimentos na transformação digital, o que permitiu à companhia gerar resultados consistentes, com margens estáveis e altas mesmo em ano ruim para o varejo brasileiro.

Pensando em uma fusão, seria uma oportunidade para a Vivara expandir horizontes e aprofundar presença no mercado de alta renda, agregando uma marca tradicional no segmento. A H Stern, uma das companhias privadas mais fechadas, com balanço desconhecido por boa parte do mercado, possui 100 lojas espalhadas pelo Brasil. Está presente, também, em outros países da América Latina, nas principais capitais da moda, como Nova York, Londres, Paris, e até na Rússia.

Uma possível transação jogaria a Vivara para outro patamar de operação, expandindo a quantidade de lojas totais em 40%, além do acesso a mercados fora do Brasil. A alavancagem e o financiamento não seriam problema. Desde a abertura de capital, a Vivara mantém caixa líquido de mais de R$ 300 milhões e a operação gera fluxo de caixa livre positivo.

Recentemente, a Vivara retomou seu plano de expansão orgânica de lojas. A meta é expandir entre 40 a 50 lojas por ano. O plano havia sido adiado em função da pandemia, substituído pela digitalização e aceleração do processo de integração da operação.

As ações VIVA3 fecharam em alta forte de 3,29%. Pode haver movimento de realização de lucros no curto prazo. Uma aquisição de grande porte, porém, atenderia ao desejo dos investidores de que a Vivara cresça de forma mais acelerada.

Grupo Pão de Açúcar: Presença oficial no Mercado Livre

O Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) começou a operar com o marketplace da Mercado Livre (MELI34) na última segunda-feira (31), oferecendo mais de 2.000 itens do setor alimentar, higiene e saúde. O movimento faz parte do plano de expansão de vendas do GPA com ampliação de alcance por meio do canal digital.

A parceria consiste na utilização da estrutura logística completa do Mercado Livre, com armazenagem, entrega e logística reversa. Em troca de uma parcela do valor das vendas realizadas no marketplace, o GPA passa a contar com alcance de entrega em mais de 1.800 cidades, em até 24h, além do tráfego de mais de 70 milhões de usuários por mês na plataforma do Meli.

A estratégia de expansão do GPA (PCAR3) vem tomando cada vez mais forma após a cisão do Assaí (ASAI3), com implantação de múltiplas parcerias e canais de distribuição variados. Além disso, o GPA tem investido numa expansão "Asset Light", com uso de estrutura de terceiros, sem necessidade de grandes investimentos em estruturas próprias.

Outra notícia envolvendo o GPA foi o anúncio pela CNOVA, e-commerce europeu no qual o GPA tem participação de 34%, de estudo para uma nova capitalização. O objetivo seria acelerar o crescimento online. Essa capitalização pode servir de pretexto para a realização de uma oferta secundária de seus controladores, que inclui também o Cassino, além do GPA. Essa oferta deve injetar recursos no caixa da companhia e ajudar na melhor precificação dos ativos estratégicos do GPA.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL