Topo

ANÁLISE

BC dos EUA manda recado negativo para Bolsas do mundo inteiro

Imagem: marchmeena29/iStock

Felipe Bevilacqua

27/01/2022 09h32

Esta é a versão online para a edição desta quinta-feira (27/1) da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar esse e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

As Bolsas dos Estados Unidos recuam nesta quinta-feira (27), refletindo a preocupação dos investidores com a perspectiva de alta dos juros e retirada dos estímulos à economia, que ganhou força após a reunião do Federal Open Market Committee (Fomc, o comitê de política monetária dos EUA) na véspera.

O comitê optou por manter inalterada a taxa Fed funds —a taxa básica de juros dos EUA, semelhante à Selic brasileira— no patamar entre 0% e 0,25% ao ano, mas sinalizou que deve iniciar um ciclo de alta já na próxima reunião, prevista para março deste ano.

Para isso, espera-se que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) encerre seu programa de compra de títulos no mesmo mês, o que significa que o banco central norte-americano deixará de usar esse mecanismo para injetar dinheiro na economia. Por fim, o presidente do Fed, Jerome Powell, também sinalizou que a instituição deve dar início ao processo de redução da sua carteira de ativos, atualmente somando US$ 9 trilhões.

A perspectiva de juros mais altos e menos estímulos é negativa para as Bolsas, porque incentiva uma migração de capital do mercado de ações para ativos de renda fixa, considerados mais seguros, uma vez que a rentabilidade dessa classe de ativos tende a crescer.

Na Europa, as Bolsas de Valores operam majoritariamente em queda, também de olho nas decisões do Fomc. Além disso, investidores acompanham os desdobramentos da crise envolvendo Rússia e Ucrânia, e o temor por uma invasão russa ao país vizinho contribui para a alta dos preços do petróleo no mercado internacional

Na Ásia, os mercados fecharam em forte queda, motivada também pela política monetária norte-americana.

E por aqui, o que esperar?

Por aqui, os investidores seguem acompanhando a alta das commodities e o apetite dos estrangeiros pelas ações brasileiras, consideradas baratas pelo mercado internacional, apesar dos altos riscos oferecidos pelas eleições e pela delicada situação fiscal do país.

Na quarta-feira (26), o Ibovespa foi novamente na contramão das principais Bolsas do planeta, e fechou em alta de 0,98%, deixando em segundo plano os indicadores de inflação que vieram acima do esperado.

Ainda assim, esses indicadores geram preocupação entre os investidores, uma vez que uma inflação persistente pode demandar uma resposta ainda mais agressiva do Banco Central, na forma de alta mais intensa e mais duradoura da Selic.

No 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Economia Investimentos): informações sobre os resultados das gigantes Microsoft e Johnson & Johnson.

Um abraço,

Felipe Bevilacqua

Analista de Investimentos de Levante
CNPI - Analista certificado pela Apimec
Gestor CGA - Gestor de Fundos certificado pela Anbima
Administrador de Recursos e Gestor autorizado pela CVM

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

BC dos EUA manda recado negativo para Bolsas do mundo inteiro - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Por Dentro da Bolsa