PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Apple tem desempenho forte, e Arezzo vai emitir novas ações; veja análise

Tela do iPhone 13 - Lucas Carvalho/Tilt
Tela do iPhone 13 Imagem: Lucas Carvalho/Tilt
Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Bevilacqua

31/01/2022 09h21

Hoje comentaremos a aprovação do follow-on primário (emissão de novas ações) da Arezzo e falaremos sobre os resultados reportados pela Apple referentes ao quarto trimestre de 2021.

Confira a seguir o comentário de Felipe Bevilacqua, analista e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre essas movimentações. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Apple divulga resultados do 4º trimestre com números fortes

A Apple (AAPL) divulgou seus resultados do primeiro trimestre do ano fiscal de 2022, equivalentes ao quarto trimestre de 2021. Os números vieram fortes, com uma receita acima do esperado, melhoria de margens e lucro líquido bem acima das expectativas.

A receita líquida no trimestre totalizou US$ 123,94 bilhões, evoluindo 11% na comparação anual e estabelecendo um novo recorde de receita em toda a história da companhia. As expectativas para esta linha eram menores, cerca de US$ 119 bilhões, 4% abaixo do que foi realizado. Além disso, o lucro por ação foi de US$ 2,10, acima das estimativas. A Apple divulgou o pagamento de US$ 0,22 por ação em dividendos, previsto para o dia 10 de fevereiro.

Regionalmente, as vendas da Apple foram melhores na China, onde a companhia alcançou a marca de US$ 25,8 bilhões, crescimento de 21% no trimestre contra trimestre. Ademais, a segmentação por linha de produto demonstrou mais uma vez a força da marca iPhone e dos "serviços", que cresceram 23,8% e 9%, respectivamente.

O resultado da Apple veio forte, com todas as principais linhas acima do esperado. Na sexta-feira (28), as ações da companhia fecharam em alta de 6,98%, a US$ 170,33. Os indicadores de desempenho da companhia permanecem intactos e fortalecidos no cenário econômico global.

Graças ao lançamento do iPhone 13, que abarca a tecnologia necessária para o acesso aos serviços 5G, a empresa conseguiu expandir sua participação na China, alcançado a liderança em um dos solos mais promissores do mundo. Em suma, acreditamos que a Apple continuará apresentando sólidos números de receita, ganho de margem operacional e geração de caixa nos próximos trimestres.

Arezzo aprova follow-on e estuda novas aquisições

Empresa líder no setor de calçados, bolsas e acessórios femininos, a Arezzo (ARZZ3), por meio de seu Conselho de Administração, aprovou um follow-on inteiramente primário (operação em que a empresa emite novas ações). A Arezzo vai emitir 7,5 milhões de novas ações com esforços restritos de colocação, com precificação para 3 de fevereiro, 11 anos após o IPO (Oferta Pública Inicial, processo em que as ações são vendidas na Bolsa de Valores pela primeira vez).

De acordo com a companhia, o objetivo da oferta é levantar recursos para financiar o crescimento orgânico - com o desenvolvimento das marcas, abertura de lojas, investimentos em centros de distribuição e tecnologia - e M&As (fusões e aquisições).

A empresa deve acelerar os planos de expansão por meio de aquisições de marcas digitais, e já vem estudando negócios com maior potencial de crescimento e que tragam sinergias interessantes para seu ecossistema de negócios. Entre as companhias nas quais a Arezzo pode estar de olho, estão grandes empresas do varejo de vestuário como a Soma, Amaro, Renner, C&A e Centauro/Nike.

Vale lembrar que o valor de mercado da Arezzo hoje é de R$ 7,92 bilhões, bem abaixo do valor de mercado das principais companhias que a empresa vem tentando adquirir, como Soma e Renner. A estratégia da Arezzo de seguir diversificando seu portfólio de produtos é positiva. Entretanto, uma grande aquisição, que aumente em muito a alavancagem (endividamento) da companhia, pode resultar em um movimento negativo caso não traga os resultados e sinergias esperadas.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.