PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Petróleo volta a subir com risco de adesão da UE a sanções contra Rússia

Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

21/03/2022 09h25

Esta é a versão online para a edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

Após ter caído abaixo de US$ 100 o barril, o petróleo voltou a subir nos últimos dias, impulsionado pelo prolongamento da guerra na Ucrânia e pela possibilidade de adesão da União Europeia (UE) ao embargo ao petróleo russo.

A UE é altamente dependente da energia russa, importando volumes expressivos de petróleo e gás natural produzidos no país governado por Vladimir Putin, o que fez com que os países membros do bloco hesitassem em aderir a sanções contra o setor de óleo e gás da Rússia.

Entretanto, com a guerra na Ucrânia chegando ao 26° dia de duração e diante da ausência de sinais de que Putin estaria disposto a retroceder, o Ocidente cogita endurecer ainda mais as pesadas sanções impostas ao gigante eurasiático, com o intuito de aumentar a pressão pelo fim do conflito.

Em resposta, a Rússia, que é a segunda maior exportadora de petróleo do planeta, disse que a aplicação de embargos ao setor de óleo e gás traria consequências não apenas para a economia russa, mas para todo o mundo.

Além disso, a Agência Internacional de Energia (AIE) avaliou em seu último relatório mensal que o petróleo russo não pode ser substituído de imediato.

Visando reduzir a dependência global do setor de óleo e gás da Rússia, o Ocidente tem aumentado a pressão para o aumento da produção de petróleo na Arábia Saudita. Também tem sido observado um movimento de reaproximação entre Estados Unidos e Venezuela -país que detém as maiores reservas da commodity do mundo.

Ainda assim, é improvável que outras nações consigam aumentar seu volume de produção a tempo de viabilizar a aplicação de novas sanções à Rússia, o que diminui a probabilidade de adesão da União Europeia ao embargo anunciado pelo presidente norte-americano Joe Biden. Não é fácil aumentar do dia para a noite a oferta de uma commodity escassa e cuja extração demanda altos investimentos.

No cenário doméstico, a alta do petróleo volta a trazer preocupação, especialmente se tratando das projeções para a inflação acima da meta neste ano.

Isso porque o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgará na terça-feira (22) se a aplicação de medidas com o intuito de reduzir o preço dos combustíveis em ano de eleições configura crime eleitoral, o que pode inviabilizar os projetos que têm sido discutidos no Palácio do Planalto e no Congresso nos últimos meses.

Caso tais projetos não saiam do papel e o petróleo siga em trajetória de alta com o prolongamento do conflito no leste europeu, a tendência é que a disparada dos preços dos combustíveis empurre a inflação para cada vez mais longe do teto da meta para 2022, de 5%.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Investimentos): informações sobre os resultados da CPFL Energia referentes ao quarto trimestre de 2021.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.