PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Novo lockdown em Xangai, na China, desafia o mercado hoje

28.mar.2022 - Guarda de trânsito controla acesso a um túnel no distrito de Pudong, em Xangai, que voltou a adotar lockdown por causa do coronavírus - Hector Retamal/AFP
28.mar.2022 - Guarda de trânsito controla acesso a um túnel no distrito de Pudong, em Xangai, que voltou a adotar lockdown por causa do coronavírus Imagem: Hector Retamal/AFP

Rafael Bevilacqua

28/03/2022 09h35

Esta é a versão online para a edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

Enquanto aqui no Brasil vivemos um momento de relaxamento das medidas restritivas impostas pela pandemia do coronavírus, com estados como São Paulo e Rio de Janeiro abandonando o uso de máscaras em locais fechados, a China anuncia uma série de lockdowns na tentativa de conter uma nova onda de infecções pelo vírus.

No último sábado, 2.631 pessoas foram diagnosticadas com covid-19 na cidade de Xangai, a segunda mais populosa do país, com mais de 26 milhões de habitantes.

Em virtude do aumento no número de casos, as autoridades chinesas anunciaram um novo —e rigoroso— lockdown, que inclui suspensão do transporte urbano, fechamento de fábricas e escritórios e interrupção do comércio na região.

Nesta segunda-feira (28), essas medidas entraram em vigor na porção leste da cidade, enquanto a porção oeste deve entrar em isolamento a partir de sexta-feira (1).

Como era de se esperar, as restrições têm impactado o mercado global de commodities, ou seja, matérias-primas como o petróleo e o minério de ferro, uma vez que a China é um dos principais consumidores destes insumos.

Com constantes suspensões das atividades em regiões importantes para a economia chinesa, os preços dos produtos que alimentam a indústria e o setor de transportes do país têm caído, com destaque para o recuo do barril de petróleo no mercado internacional.

Além disso, a China é a principal compradora das commodities extraídas no Brasil, o que significa que é imprescindível que o investidor brasileiro acompanhe o noticiário chinês.

Por fim, com o petróleo em queda e incertezas vindas da China, o dia de hoje deve ser desafiador para o Ibovespa —principal índice de ações da B3. As ações de empresas ligadas ao setor de commodities representam uma fatia expressiva do Ibovespa, e podem puxar a queda do índice caso apresentem desempenho negativo no pregão de hoje.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Investimentos): informações sobre a venda de dez milhões de ações da Petz pelo CEO da companhia.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.