PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Putin não dá sinais concretos de que quer paz, e mercado segue instável

O presidente russo, Vladimir Putin - Mikhail Klimentyev/Kremlin via Reuters
O presidente russo, Vladimir Putin Imagem: Mikhail Klimentyev/Kremlin via Reuters

Rafael Bevilacqua

30/03/2022 09h21

Esta é a versão online da edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

Após uma reunião entre representantes russos e ucranianos na terça-feira (29), em Istambul, na Turquia, o vice-ministro da Defesa da Rússia, Alexander Fomin, anunciou uma "redução radical" das atividades militares nas regiões de Kiev e Chernihiv, na Ucrânia.

A notícia veio após o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky afirmar que seu país estaria disposto a adotar uma posição de neutralidade no cenário geopolítico global, uma das principais exigências do país invasor, uma vez que tal status impediria a adesão da Ucrânia à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Com a sinalização de que a guerra poderia estar se aproximando do fim, as principais Bolsas de Valores do planeta fecharam em alta na véspera, enquanto os preços de algumas commodities afetadas pelo conflito, como é o caso do petróleo, caíram.

Todavia, assim como no início do conflito, quando o presidente russo Vladimir Putin negou ter a intenção de invadir o país vizinho até o último minuto, palavras e ações não convergiram, e a Rússia realizou novos ataques à capital ucraniana e outras grandes cidades do país mesmo após a promessa de redução das atividades nestes locais.

Autoridades como o secretário de Estado dos EUA Anthony Blinken e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson retomaram o mantra adotado no início da guerra: Putin e seu regime devem ser julgados por suas ações, não por suas palavras.

Com a incerteza ganhando força novamente, as Bolsas de Valores dos EUA e da Europa operam majoritariamente em queda nesta quarta-feira (30), e o preço do barril de petróleo voltou a subir.

Neste contexto, podemos esperar ainda bastante volatilidade nos mercados globais enquanto a Rússia não der sinais concretos de que está disposta a negociar a paz com a Ucrânia.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Investimentos): informações sobre a estreia da Auren Energia no Novo Mercado da B3.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.