PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Natura troca CEO e sinaliza início de programa de reestruturação

Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

21/06/2022 09h11

A Natura &Co (NTCO3) anunciou, na semana passada, o que deve ser o início de um processo de reestruturação da companhia, com a troca do CEO. A empresa comunicou que Fábio Barbosa será seu novo CEO global. É um movimento que vem sendo tratado como um importante passo em direção à reestruturação da companhia.

Confira a seguir o comentário de Rafael Bevilacqua, estrategista-chefe e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre o tema. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

O anúncio de sua chegada ao cargo ocorre em um momento de simplificação na estrutura da holding, bem como na expansão e reposicionamento das marcas The Body Shop, Aesop, Natura e Avon International. A ideia é que gradualmente a estrutura executiva antiga (chairman e co-chairmen) seja extinta, com suas funções concentradas no novo CEO.

Barbosa é conhecido por sua eficiência construída ao longo de anos no mercado financeiro, com uma longa trajetória no controle de empresas. O executivo também é membro do conselho há mais de cinco anos. Roberto Marques, que estava no comando da Natura desde 2016, deve ficar como Conselheiro até o fim do ano para auxiliar nessa transição.

Com a reorganização da companhia, a Natura pretende simplificar a holding, transferindo algumas funções diretamente para as unidades de negócio, reduzindo custos que consomem cerca de US$ 80 milhões por ano (grande parte com remunerações), além de conferir mais agilidade e autonomia na tomada de decisões. As áreas que serão realocadas e o tamanho dessa redução de custos ainda não foram definidos pela empresa, entretanto, segundo Fábio, as lideranças das quatro unidades de negócios da Natura (Natura, Avon, Aesop e The Body Shop) serão mantidas.

O anúncio da troca do CEO da companhia foi bem recebido pelo mercado, com as ações NTCO3 chegando a subir 10% depois do comunicado. Esse é o primeiro grande movimento da Natura após os números ruins divulgados no primeiro trimestre. Desde o início do ano, as ações NTCO3 já acumulam queda de mais de 40%, penalizadas por um cenário macroeconômico bastante complexo, além do resultado ruim divulgado no primeiro trimestre de 2022.

Os números reportados pela companhia mostraram uma forte queda nas vendas da Avon International - a qual representa 22% das vendas e possui uma exposição significativa à Rússia e Ucrânia, sendo bastante afetada pelas questões geopolíticas - e na The Body Shop, que sofreu com os lockdowns da pandemia por ter uma dependência relevante das lojas físicas.

As ações da Natura fecharam em queda de 7,61% na segunda-feira (20), cotadas a R$ 13,35.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.