PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

China: PIB fraco e crise imobiliária derrubam mercados

Getty Images
Imagem: Getty Images

Rafael Bevilacqua

15/07/2022 09h56

Esta é a versão online da edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

A economia chinesa deu novos -e preocupantes- sinais de desaceleração, com o Produto Interno Bruto (PIB) do país tendo crescido apenas 0,4% no segundo trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2021. A expectativa era de um crescimento entre 0,9% e 1,1% no período.

Com relação ao trimestre imediatamente anterior, a atividade econômica na China apresentou contração de 2,6%, tendo sido prejudicada principalmente pelos rigorosos lockdowns implementados em regiões importantes do país, além da crise que assola o setor imobiliário.

A forte desaceleração da economia chinesa torna cada vez mais improvável que o país consiga bater as metas de crescimento estabelecidas pelo governo.

A atividade enfraquecida na segunda maior economia do planeta faz crescer também o temor de uma recessão de proporções globais.

Além disso, a situação das construtoras e incorporadoras chinesas tem se agravado aceleradamente, ao ponto de muitas delas não conseguirem entregar seus empreendimentos a tempo.

Com o atraso nas entregas, muitos proprietários têm perdido a confiança no mercado imobiliário local. Agora, esses proprietários ameaçam deixar de pagar as hipotecas de seus imóveis em construção, o que ameaça deteriorar ainda mais a situação financeira das companhias do setor.

O índice Shanghai Composite, da Bolsa de Xangai, fechou o pregão desta sexta-feira (15) em queda de 1,64%, aos 3.228,06 pontos.

As notícias vindas da China são negativas para o mercado de commodities, especialmente para o minério de ferro, que acumula perdas expressivas nas últimas semanas. Dessa forma, as empresas do setor de mineração e siderurgia da Bolsa brasileira devem reagir negativamente.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes UOL, que possuem acesso integral ao conteúdo de UOL Investimentos): informações sobre a prévia operacional da administradora de shopping centers Iguatemi.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

**********

NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

A newsletter UOL Investimentos mostra que a Bolsa brasileira teve neste ano a pior performance desde março de 2020. E deve continuar apanhando no resto do ano, com eleições e desaceleração global. Mas há algumas ações que podem resistir a isso tudo. Veja quais são. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.