PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

É preciso ver com ceticismo defesa que Lira faz do teto de gastos

O presidente da Câmara, Arthur Lira - Elaine Menke/Câmara dos Deputados
O presidente da Câmara, Arthur Lira Imagem: Elaine Menke/Câmara dos Deputados

Rafael Bevilacqua

05/08/2022 09h50

Esta é a versão online da edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), defendeu a importância do teto de gastos na quinta-feira (4), durante sua participação no evento Expert XP 2022.

O parlamentar disse que o Congresso manterá o teto em vigor enquanto puder, independentemente do nome escolhido para a Presidência da República nas eleições de outubro.

A fala de Lira, contudo, precisa ser recebida com ceticismo, uma vez que as recentes violações ao teto de gastos chanceladas pelo Congresso têm feito muitos especialistas questionarem a resiliência da medida diante do ímpeto gastador da classe política.

Na visão do deputado, tais violações —ou "microcirurgias"— foram necessárias para atender as demandas da população em um momento atípico, em meio à pandemia e com a guerra na Ucrânia.

Sendo essas medidas necessárias ou não, o fato é que a situação fiscal brasileira está longe de poder ser considerada confortável, e mesmo um eventual superávit em 2022, viabilizado pelo pagamento de dividendos robustos das estatais à União, pode ser apenas um ponto fora da curva.

Dessa forma, é imprescindível que Congresso e governo respeitem os limites impostos ao Orçamento para evitar uma acelerada deterioração das contas públicas brasileiras, o que pode levar a economia a um colapso.

Nos últimos meses, tanto o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seu rival na corrida presidencial, têm defendido a manutenção do valor de R$ 600 para beneficiário do programa social Auxílio Brasil, dentre outras medidas custosas aos cofres públicos.

Indo além, Lula afirmou que, caso eleito, trabalhará para derrubar medidas de saneamento fiscal aprovadas nos últimos governos, dentre as quais o próprio teto de gastos, que tem servido como a principal âncora fiscal no Brasil.

É difícil saber qual será a postura do Congresso com relação à responsabilidade fiscal a partir do próximo ano, período no qual os eventos atípicos que estamos vivenciando hoje já não devem exercer tanta influência sobre os mercados globais.

Em outras palavras, caso a economia mundial volte à normalidade, ou ao menos a algo mais próximo do normal, congressistas e governantes ainda terão a intenção de promover aumentos dos gastos e violações ao teto? Ou o bom senso há de prevalecer, de forma que a classe política trabalhará em prol da responsabilidade fiscal, da redução da dívida e do controle da inflação?

Não há espaço para novas violações ao teto de gastos, muito menos para a sua derrubada, e o preço a se pagar em caso de descontrole das contas públicas é demasiado alto. Estamos no começo de uma nova década, e temos a responsabilidade de fazer com que esta não seja perdida.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes UOL, que têm acesso integral ao conteúdo de UOL Investimentos): informações sobre o resultado recorde da PetroRio no segundo trimestre de 2022.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

**********
NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

A newsletter UOL Investimentos mostra quais ações estão na xepa da Bolsa, baratas, com a instabilidade econômica, e o que se deve avaliar para comprar um ativo neste momento. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.