PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Até que preço compensa comprar as ações da Vale na Bolsa? Analista calculou

Conteúdo exclusivo para assinantes

Do UOL, em São Paulo

01/07/2021 04h00

Em março de 2020, o minério de ferro estava cotado a aproximadamente US$ 86,00 a tonelada. No último dia 29, a cotação estava em US$ 214,17 - uma valorização de mais de 149% desde então. Quem tem se beneficiado desse cenário é a mineradora Vale.

Segundo Felipe Bevilacqua, economista e analista da casa de análises Levante Ideias de Investimentos, existem alguns motivos para essa forte valorização, como a restrição de oferta e demanda, causada pela pandemia; a procura maior pelo produto em um ritmo mais acelerado que o da oferta, e a maior demanda chinesa pela commodity.

Além disso, há no cenário o pacote trilionário do governo dos Estados Unidos em investimentos de infraestrutura. Tudo isso ajuda a Vale a crescer, e o preço das ações da empresa na Bolsa a subir. Mas até que preço compensa comprar as ações da empresa? Veja a projeção do analista, e entenda de onde vem o crescimento da Vale.

Meta da China e pacote trilionário dos EUA

A procura por minério de ferro deve aumentar ainda mais, com o plano do governo chinês de dobrar o PIB até 2035 via investimento em infraestrutura, e o pacote trilionário do governo norte-americano no setor.

A meta chinesa para o PIB e o pacote trilionário de infraestrutura dos EUA têm resultado em produções recordes de aço na China. Os produtores por lá estão produzindo o máximo que podem, antes que as autoridades ambientais fechem o cerco, já que a produção de aço é uma das atividades mais poluentes da China.
Felipe Bevilacqua

A Vale sai ganhando com esse cenário. "Com a vacinação em ritmo acelerado, a tendência é que as restrições diminuam. E eu vejo que o ponto mais alto desse ciclo começa a aparecer", afirma o especialista.

Corrida contra o tempo

Existe um fator que pode afetar esse crescimento da Vale, as restrições na China.

A preocupação em relação aos preços especulativos e excessivos do minério de ferro fez com que a Comissão Nacional de Reformas e Desenvolvimento da China (CNRD) anunciasse uma medida mais restritiva contra monopólios e movimentos especulativos.

Apesar disso, os estoques de minério seguem em níveis baixíssimos e em trajetória de queda, de acordo com dados mais recentes. Isso em função da baixa oferta diante da alta e crescente demanda no Ocidente, devido à reabertura das economias. Isso sustenta os preços em altos patamares.
Felipe Bevilacqua

Essa maior demanda tem gerado uma corrida "contra o tempo" na produção de aço, que atingiu níveis recordes na China. "Porém o governo chinês tem atuado fortemente para limitar o aumento de capacidade de produção de aço. Isso vai gerar uma limitação de oferta e jogar a expectativa de preços do aço para cima", afirma o analista.

"A atenção aqui fica para o prazo em que, estruturalmente, a demanda comece a se arrefecer, o que pode gerar um movimento de equilíbrio de oferta e demanda no mundo, corrigindo os preços para patamares mais baixos que os atuais", afirma o analista.

Onde entra a Vale nessa história?

Bevilacqua explica que a rentabilidade da Vale cresce exponencialmente com a cotação do minério a partir dos US$ 100,00 por tonelada. Além disso, a empresa tem um custo baixo de produto, o que aumenta ainda mais sua rentabilidade.

Preciso, mais uma vez, destacar que o custo de produção e entrega do minério de ferro da Vale é em torno de US$ 15,00 por tonelada. Esse custo ainda poderá baixar com o aumento de capacidade de produção de algumas minas, programado para 2022. Resumindo, mesmo que a cotação do minério caia mais de 100%, a Vale continua sendo rentável.
Felipe Bevilacqua

Por isso, o analista segue recomendando a Vale, que está presente nas carteiras recomendadas criadas pelo analista para os assinantes de UOL Economia+.

Para quem ainda não pegou as recomendações de investimentos, elas estão aqui:

- Carteira quem não aceita risco algum;

- Carteira para quem tem perfil mais conservador, mas aceita um pouquinho de risco;

- Carteira para quem é mais moderado;

- Carteira para quem aceita mais risco;

- Carteira para quem aceita alto risco.

Confira aqui o relatório completo que Bevilacqua preparou sobre a relação da Vale com a China, e entenda por que as ações da companhia ainda seguem nas carteiras feitas pelo analista.

Até que preço comprar as ações da empresa?

Com base em uma análise macroeconômica e uma análise micro da empresa, o analista acredita que compensa comprar as ações da Vale até o valor de R$ 115 por ação.

Queremos falar com você

Fique atento às notificações do seu e-mail, pois caso haja alguma modificação na sua carteira, você será avisado.

Acompanhe também os boletins diários preparados por Bevilacqua, com análises do cenário macroeconômico e do noticiário corporativo. Você recebe esse boletim todos os dias, antes da abertura do mercado, para começar o dia com as informações das quais precisa. Ainda não recebe os e-mails? Se inscreva aqui na newsletter do UOL Economia+.

Tem alguma dúvida sobre algum investimento? Pode enviar para o Felipe: duvidasparceiro@uol.com.br

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

PUBLICIDADE