IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Itaúsa vai parar de investir: vale a pena ter ações da holding?

24/08/2022 11h00

A holding Itaúsa, que detém relevante participação no maior banco privado brasileiro - o Itaú -, deve pausar os investimentos por um ano. Os dividendos pagos aos acionistas - qualquer um que tenha ações da holding - também devem ser reduzidos nos próximos anos.

Quais são as perspectivas para a companhia, levando em consideração os planos revelados pelo seu CEO após a divulgação do último balanço? Vale investir na holding?

A análise foi feita pelo Rafael Bevilacqua, estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante Ideias de Investimentos.

A Itaúsa (ITSA4) é uma holding pura, ou seja, não dispõe de receita própria, mas apenas de receitas provenientes do investimento nas empresas que compõem seu portfólio.
No caso da Itaúsa, a empresa mais relevante dentre as suas controladas é o Itaú Unibanco, maior banco do Brasil e um dos maiores do mundo.

A holding detém cerca de 37% do capital social do Itaú, que é o responsável pela maior parte dos lucros da Itaúsa.

Além do Itaú, a holding possui participação nas seguintes empresas: XP Inc, Alpargatas (dona da Havaianas, Mizuno, Osklen e outras), Dexco (ex-Duratex, de louças e metais sanitários), Aegea (de saneamento), Copa Energia (ex-Copagaz) e NTS (Nova Transportadora do Sudeste, transportadora de gás natural).

O foco da Itaúsa é a geração de valor aos acionistas por meio de participações em empresas com históricos consistentes de rentabilidade (ROE) e altos fluxos de dividendos.

A Itaúsa tem buscado diversificar seu portfólio, a partir do aporte em empresas não financeiras, mas sem renunciar à expressiva participação no Itaú. Entretanto, a manutenção da participação de 10,31% que a holding possui na XP não está nos planos do conselho da companhia, que deve se desfazer pouco a pouco das ações da corretora para levantar recursos.

Lucro caiu, mas empresas não financeiras crescem

No segundo trimestre deste ano, a Itaúsa apresentou sólidos resultados recorrentes, com as empresas do setor financeiro - Itaú (ITUB4) e XP (Nasdaq: XP) - tendo sido novamente os grandes destaques. O resultado financeiro das empresas investidas totalizou R$ 3,302 bilhões, um crescimento de 12% na comparação anual.

Entretanto, o lucro líquido da holding recuou na comparação com o mesmo período do ano anterior, uma vez que efeitos não recorrentes exerceram impacto significativo no resultado líquido da Itaúsa no segundo trimestre de 2021. Tais efeitos acrescentaram R$ 652 milhões ao resultado da companhia no mesmo período do ano passado, mas totalizaram "apenas" R$ 58 milhões no segundo trimestre deste ano.

Dessa forma, o lucro líquido recorrente avançou 5% na comparação anual, totalizando R$ 3,081 bilhões, enquanto o lucro líquido acrescido de efeitos não recorrentes somou R$ 3,076 bilhões, 12,5% menor que o auferido um ano antes.

O resultado das empresas não financeiras que integram o portfólio da Itaúsa cresceu 111% com relação ao segundo trimestre de 2021, totalizando R$ 486 milhões. Tal alta foi puxada pelos fortes desempenhos da NTS, que cresceu 281%, e da Copa Energia, com alta de 433%.

Outro fator que contribuiu para o recuo do lucro líquido foi a piora do resultado financeiro, que encerrou o trimestre negativo em R$ 138 milhões, ante um resultado negativo de R$ 19 milhões um ano antes. As despesas administrativas e tributárias também tiveram aumento de 40% e 45%, respectivamente, atingindo R$ 47 milhões e R$ 78 milhões.

Itaúsa vai pausar investimentos. E agora?

Na terça-feira (16), na teleconferência de resultados da Itaúsa, o CEO e diretor de Relações com Investidores Alfredo Setubal dividiu com os presentes as perspectivas para o futuro da companhia.

O CEO informou que a companhia deverá interromper seus investimentos por um momento, afirmando que a postura poderá ser revista em um ano. Agora, a prioridade é dar tempo de maturação às companhias investidas.

Setubal afirmou ainda que a holding chegou a analisar recentemente uma eventual entrada na oferta de ações da Eletrobras, mas a necessidade de aporte de R$ 5 bilhões na recém-privatizada companhia elétrica presumia uma nova emissão de dívida, algo não atrativo na sua visão.

Além disso, o CEO afirmou que as companhias investidas, principalmente as do setor não financeiro, estão em processo de redução do grau de endividamento. Dessa forma, a Itaúsa permanecerá, por um período 3 ou 4 anos, distribuindo apenas o mínimo estatutário exigido na forma de proventos, ou seja, 25% do lucro líquido.

Após esse período, o CEO afirmou que a companhia deverá operar no patamar de 40% a 50% de payout, mais próximo da média histórica.

Dividendos da Itaúsa também serão menores

Nos últimos 12 meses, o mercado tem observado uma maior distribuição de proventos pela holding, após dois anos (2020 e 2021) de dividendos abaixo da média.

O Itaú foi responsável por 80% dos dividendos pagos pela Itaúsa em 2021. Nos últimos 12 meses, a distribuição de proventos medida pelo dividend yield (rendimento do dividendo) supera a média de 2020 e 2021, mas segue abaixo do patamar de antes da pandemia.

Mas a companhia deve manter uma distribuição um pouco menor de dividendos pelos próximos três ou quatro anos, antes de voltar a pagar proventos mais generosos.

Isso quer dizer que a Itaúsa não deixou de ser lucrativa, apesar do período desafiador da pandemia, mas sim passou a reduzir o total de proventos pagos aos acionistas por conta de uma medida imposta pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que limitou a distribuição de dividendos e juros sobre capital próprio pelas empresas do setor bancário.

A expectativa é que este ano seja ainda melhor para a Itaúsa, uma vez que o Itaú deve voltar a distribuir uma parcela maior do seu lucro líquido na forma de dividendos, impulsionando os resultados da holding.

Em 2021, em virtude das restrições impostas pelo CMN e do aumento das provisões para devedores duvidosos (PDD), reservas de valores feitas para arcar com possíveis calotes, o Itaú distribuiu apenas 22,9% do seu lucro líquido de R$ 26,9 bilhões na forma de dividendos e juros sobre capital próprio. Para efeito de comparação, o pagamento de dividendos do banco foi de 66,2% do seu lucro em 2019.

Vale investir?

Mesmo sem a perspectiva de uma retomada dos dividendos generosos no curto prazo, as ações da Itaúsa vêm sendo negociadas a preços atrativos, uma vez que a holding conseguiu montar um portfólio de altíssima qualidade que deve render bons frutos no médio e longo prazo.

A estratégia de pausar os investimentos e manter o endividamento em patamares controláveis é um passo necessário após as grandes aquisições realizadas pela holding nos últimos anos. Mesmo com um pagamento reduzido, a companhia deve se beneficiar dos bons resultados do Itaú.

Acredito que a companhia está bem posicionada, com um portfólio diversificado e reduzindo cada vez mais sua volatilidade, à medida que gradativamente vem diminuindo sua exposição ao Itaú e aumentando suas posições em boas empresas que atuam em setores sólidos e perenes.

Veja aqui o relatório completo sobre as ações da Itaúsa e a perspectiva para a holding.

Carteiras conforme o perfil

Para quem ainda não pegou as recomendações de investimentos, elas estão a seguir:

- Carteira para quem não aceita risco algum

- Carteira para quem tem perfil mais conservador, mas aceita um pouquinho de risco

- Carteira para quem é mais moderado

- Carteira para quem aceita mais risco

- Carteira para quem aceita alto risco

Queremos falar com você

Fique atento às notificações do seu e-mail, pois caso haja alguma modificação na sua carteira, você será avisado.

Acompanhe também os boletins diários preparados por Bevilacqua, com análises do cenário macroeconômico e do noticiário corporativo. Você recebe esse boletim todos os dias, antes da abertura do mercado, para começar o dia com as informações das quais precisa. Ainda não recebe os e-mails? Inscreva-se aqui na newsletter do UOL.

Tem alguma dúvida sobre algum investimento? Pode enviar para o Rafael: duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.