Só para assinantesAssine UOL

Casas Bahia (BHIA3): vice-presidente comercial e de operações renuncia ao cargo

A Casas Bahia (BHIA3) informou que recebeu a renúncia de Abel Ornelas Vieira ao cargo de vice-presidente comercial e de operações da companhia, para o qual havia sido eleito em 3 de maio deste ano.

Segundo a companhia, o diretor-presidente da Casas Bahia, Renato Franklin, indicará outro diretor para assumir interinamente o cargo deixado por Vieira, até que o conselho de administração eleja um novo diretor para preencher seu cargo.

Casas Bahia (BHIA3) se reorganiza em meio à forte queda das ações

Desde a última quarta-feira (20), o Grupo Casas Bahia negocia suas ações na bolsa brasileira sob um novo ticker. A troca marca o início de uma nova fase, com o resgate da marca da rede de lojas mais conhecida do grupo e a adoção de um plano para trazer mais de R$ 3 bilhões em novas receitas, envolvendo ainda venda de ativos e corte de custos.

Há dois anos, a Via Varejo (com ticker VVAR3) já havia sido renomeada como Via (VIIA3) para indicar que rumava para além do negócio de varejo. Agora, ela retorna às origens com a retomada do nome Casas Bahia. O que implica a recuperação de slogans, posicionamentos de mercado, identidade visual e até do antigo garoto-propaganda do grupo.

A mudança de rota se dá ainda em um momento de turbulência nos preços das ações, abaladas pela visão negativa do mercado em relação ao endividamento do grupo e à sua capacidade de operar de forma saudável financeiramente.

Em agosto de 2020, na pandemia, ainda sob a marca Via Varejo, as ações do grupo - que reúne as redes Casas Bahia, Ponto Frio e Bartira - chegaram a ser cotadas acima dos R$ 20,85.

Centavos

Na última quinta (21), a ação da companhia encerrou o pregão negociada em torno de R$ 0,74, transformando o papel, um dos com mais operações na Bolsa, em uma "penny stock" - quando a ação é negociada na casa de centavos. A perda de mais de 96% consumiu R$ 32 bilhões em valor de mercado da empresa desde então - ou o equivalente a uma Cemig (CMIG4).

Continua após a publicidade

A queda se acentuou no último mês, quando as ações caíram cerca de 60%, sobretudo após o follow on (nova emissão de ações) realizado no dia 14. O grupo buscava levantar R$ 1,1 bilhão, mas conseguiu só R$ 623 milhões, com desconto de 28%.

Ainda para piorar, na véspera da operação a dívida da empresa foi rebaixada pela agência Standard & Poor's, levando ao temor de que os detentores de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) do grupo pedissem o resgate antecipado dos títulos.

Nesse cenário, a atenção do CEO, Renato Franklin, no cargo desde abril, vindo da locadora de veículos Movida, se volta agora para tentar tranquilizar o mercado. Ele insiste que a dívida da empresa não é preocupante, apesar do cenário de juros altos e crédito escasso depois do caso da Americanas (AMER3). Nega também que a empresa esteja rumando a uma recuperação judicial. "Há uma percepção equivocada de risco da companhia", diz ele.

Endividamento

A dívida bruta do grupo registrada no balanço do segundo trimestre foi de R$ 3,7 bilhões, com um adicional de R$ 1,5 bilhão em "risco sacado", que são empréstimos bancários que antecipam recebíveis a serem pagos aos fornecedores da varejista - e que estão no centro da crise da Americanas. Além disso, a empresa registrou em junho empréstimos de R$ 8,7 bilhões.

Esses números podem parecer preocupantes diante de um caixa de R$ 2,7 bilhões e dos seguidos prejuízos. No segundo trimestre, o grupo teve R$ 492 milhões de prejuízo.

Continua após a publicidade

Mas há alguns atenuantes. Das dívidas, só R$ 1,8 bilhão vence até 2024, e R$ 1,2 bilhão já está sendo renegociado com os bancos. E a percepção no mercado é de que os bancos devem facilitar as negociações, já que seguem em conversas duras para diminuir as perdas com a Americanas e, nesse cenário, não querem outro grande problema.

Além disso, o CEO observa que R$ 5 bilhões dos R$ 8,7 bilhões em empréstimos estão assegurados por receitas futuras da empresa. Uma pessoa próxima à operação diz que "para cada R$ 1 disso, existe outro R$ 1 quase garantido que a empresa tem a receber". Ela afirma ainda que, historicamente, a inadimplência do crediário da Casas Bahia é baixa. "A nossa perda líquida é de menos de 5%. A Casas Bahia sempre soube dar crédito", diz Franklin.

Nova fase traz de volta o garoto-propaganda

A reformulação da marca Casas Bahia deve ser a vitrine de um plano de R$ 3 bilhões que a empresa quer colocar em prática para contornar seu endividamento. A estratégia está dividida em três frentes de cerca de R$ 1 bilhão cada uma, envolvendo novas receitas e corte de custos, venda de ativos e diminuição de estoques, segundo o CEO da empresa, Renato Franklin.

A companhia volta a utilizar o slogan "Dedicação total a você" em suas campanhas publicitárias, e até já tem novos anúncios com o ator Fabiano Augusto, o garoto-propaganda que ficou conhecido por centenas de filmes da rede em que repetia o bordão "Quer pagar quanto?".

Para a mudança na comunicação, a empresa deixou - em troca de contratos de menor custo - um relacionamento de anos com a agência de publicidade VMLY&R. A conta era renovada desde 2002. Na época, o acordo era com o grupo Newcomm, do empresário Roberto Justus, que depois foi integrado à agência global Young & Rubicam. Agora, o prestador de serviços será o Grupo Dreamers, de Roberto Medina, anteriormente chamado Artplan.

Continua após a publicidade

As ações na internet e na TV deverão ser mais focadas, com anúncios regionais, evitando pagar pela veiculação nacional. A meta: economizar R$ 200 milhões por ano em comunicação. A Casas Bahia pretende rentabilizar as vitrines e criar quiosques de vendas, patrocinados por fornecedores, nas suas lojas. Até mesmo promoções no site serão pagas por indústrias interessadas em aumentar a exposição de suas marcas.

Desempenho das ações da Casas Bahia

Com informações de Estadão Conteúdo

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora