PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Medo de confisco da poupança e da inflação alta faz você perder dinheiro

Exclusivo para assinantes UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/07/2021 04h00

Houve uma época, não faz muito tempo, em que o brasileiro precisava usar o salário rápido porque o dinheiro perdia valor de um dia para o outro, por causa da inflação. Sem poder de compra, não dava nem para pensar em investir e os poucos que conseguiram juntar dinheiro, perderam com o confisco da poupança. Até hoje, a inflação continua sendo uma preocupação para o brasileiro, mas em uma proporção totalmente diferente.

"É muito difícil a gente ver aquele cenário de novo", afirmou Bea Aguillar, influenciadora e analista de renda variável, durante o encontro Guia do Investidor UOL, série de eventos gratuitos e quinzenais do UOL Economia+, sobre investimentos. Confira abaixo o que ela e Júlia Mendonça, influenciadora e planejadora, falaram sobre como não deixar os fantasmas do passado afetar seus investimentos hoje.

Preciso me preocupar com a inflação?

A alta dos preços pode até interferir na maneira como as pessoas investem, mas não é mais um motivo para deixar de investir. "Você não precisa ter medo, porque hoje você pode começar a investir com R$ 1", disse Júlia Mendonça durante o encontro.

Muita gente deixa de investir por medo de perder dinheiro. Mas você já parou para pensar sobre o quanto você deixa de ganhar por causa da inflação? Quando o dinheiro está parado na poupança, ele pode não render o suficiente para acompanhar a alta dos preços.

"Hoje os juros estão em 4,25% ao ano enquanto a inflação oficial está acima de 6%. Isso significa que mesmo que eu invista em algo que pague 100% dos juros, ainda assim estou perdendo o meu poder de compra", disse Bea Aguillar.

Dinheiro na poupança perde para a inflação

Diferentemente da década de 90, hoje não há riscos de confisco da poupança, porque há uma emenda na Constituição que impede que isso aconteça. Apesar disso, deixar dinheiro parado na aplicação não é uma boa ideia, segundo as especialistas.

Primeiro porque quem guarda dinheiro na poupança também tem mais chances de cair na tentação dos gastos, uma vez que as economias podem ser resgatadas a qualquer momento. "O dinheiro parado na conta é um convite para gastar", afirmou Júlia Mendonça.

Além disso, para Bea Aguillar, a poupança gera uma falsa sensação de segurança —do ponto de vista financeiro —o que te impede de ganhar mais com outros ativos.

"A falta de educação financeira acaba levando as pessoas para a poupança. Elas pensam que não vão perder dinheiro e deixam de investir em outras modalidades de investimento que não perdem o poder de compra", disse a analista.

Onde investir para se proteger da inflação?

Para não correr nenhum desses riscos, o investidor pode, inclusive, aplicar os recursos em títulos que rendem mais quando a inflação está em alta. São opções no mercado de renda fixa, que também são seguras, mas costumam render menos do que investimentos em ações, por exemplo.

O importante é ter em mente qual o objetivo do investimento e sua disposição para correr riscos.

"Eu falo que a ação é a nossa cereja do bolo. Ela é maravilhosa, mas você precisa ter o conhecimento, entender um pouquinho mais de análise", disse Júlia Mendonça.

Guia do Investidor UOL é trilha para quem quer começar a investir

O Guia do Investidor UOL é uma série de eventos quinzenais e gratuitos do UOL Economia+ que funciona como uma trilha de conhecimento, que passará por temas como comportamento, investimentos básicos para iniciantes a investimentos mais arrojados, como ações, fundos multimercado e até criptomoedas.

Para ajudar os leitores nessa trilha, investidores profissionais, analistas, e grandes especialistas do mercado darão aulas quinzenais para ensinar o passo a passo dos investimentos.

Você pode conferir a programação do Guia do Investidor UOL aqui.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.