PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

PIB do Brasil, Orçamento e outros 3 temas que podem afetar a Bolsa

Conteúdo exclusivo para assinantes

Carol Paiffer

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/09/2021 04h00

Acompanhe no Café com Mercado, do UOL, cinco assuntos que podem movimentar o mercado nesta quarta-feira (1º) e uma ação para ficar de olho.

1) PIB do Brasil - O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou nesta quarta-feira (1º) o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil referente ao segundo trimestre. No período, a atividade econômica registrou um leve recuo de 0,1%.

Para este ano, o mercado reduziu as projeções, de um aumento de 5,27% para uma alta menor, de 5,22%, segundo dados do Boletim Focus, do Banco Central.

Para 2022, a expectativa do mercado é de que a economia cresça em torno de 2%.

2) Orçamento - Na última terça-feira (31), o governo federal encaminhou ao Congresso o Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2022.

O texto prevê, dentre outras coisas, que o salário mínimo passe dos atuais R$ 1.100 para R$ 1.169, uma alta de 6,27% —aumento que apenas cobre a projeção de inflação.

O projeto, ainda, não dá reajuste aos servidores em 2022.

O texto também prevê que o Auxílio Brasil, nova política social do governo federal, tenha o mesmo orçamento do Bolsa Família em 2021, sem que haja correção pela inflação. Neste ano, o governo destinou R$ 35 bilhões ao programa.

Outro ponto do projeto do Orçamento, e que interessa muito aos investidores, é sobre precatórios. O texto não prevê o parcelamento da dívida da União.

Todos esses pontos devem afetar o mercado neste primeiro dia de setembro.

3) CPI da Covid - Na terça-feira (31) o Supremo Tribunal Federal (STF) havia liberado o motoboy Ivanildo Gonçalves da Silva, da VTCLog, de prestar depoimento à CPI da Covid.

A empresa do motoboy é a responsável pela distribuição de vacinas no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

A comissão, contudo, recorreu da decisão, e Ivanildo deverá ser ouvido hoje pelos senadores, que investigam as movimentações em dinheiro que Ivanildo teria feito em nome da empresa.

A VTCLog é suspeita de irregularidades em contrato com o Ministério da Saúde.

4) Produção de petróleo - Nesta quarta-feira (1º) ocorrerá a reunião da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para discutir o aumento da produção do combustível nos próximos meses.

A expectativa é de que a organização mantenha seus planos de elevar sua oferta de forma modesta, em 400 mil barris por dia.

A decisão dos líderes da Opep impacta diretamente no preço do petróleo e pode movimentar as ações de empresas do setor hoje.

5) PMI - Outro assunto importante é o PMI dos EUA, indicador que mostra a atividade econômica do país.

O dado ajuda os investidores a entender a situação da economia norte-americana e pode trazer movimento para as Bolsas do mundo todo nesta quarta-feira (1°).

Fique de Olho

Para o Fique de Olho de hoje, a casa de análises Recomenda Ações traz mais uma companhia que está abaixo do preço justo na Bolsa — ou seja, com preço das ações menor do que analistas acreditam que elas realmente valem.

A Telefônica Vivo (VIVT3) é a mais bem fundamentada companhia de telecomunicação da Bolsa brasileira para o trimestre pela segunda vez consecutiva, segundo os analistas.

Após forte oscilação no setor com a Oi (OIBR3), que está em recuperação judicial e negociando seus ativos, o mercado retorna às compras no setor —o que favorece a Vivo (VIVT3). Além disso, a empresa paga dividendos acima da média.

Para os analistas, a empresa é boa opção para o investidor de longo prazo e que tem foco em dividendos.

O programa Café com Mercado é apresentado pela fundadora e presidente da Atom S.A., Carol Paiffer.

Conheça os recursos do serviço de orientação financeira UOL Economia+, para quem quer investir melhor.

Entre no grupo UOL Economia+ e receba notícias de investimento no WhatsApp.

Tem alguma dúvida ou sugestão? Fale com a gente: uoleconomiafinancas@uol.com.br

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE