PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Reformas administrativa e trabalhista: veja o que pode afetar a Bolsa hoje

Conteúdo exclusivo para assinantes

Carol Paiffer

Colaboração para o UOL, em São Paulo

02/09/2021 04h00

Veja no Café com Mercado, do UOL, seis assuntos que podem movimentar a Bolsa nesta quinta-feira (2) e uma ação para ficar de olho.

1) Reforma administrativa - Na quarta-feira (1°), o relator da reforma administrativa, Arthur Maia (DEM-BA), apresentou seu relatório na comissão da Câmara que trata sobre o tema.

Dentre outras medidas, o deputado manteve a garantia de estabilidade para os atuais servidores públicos e aumentou a quantidade de avaliações pelas quais os novos servidores deverão passar periodicamente.

A reforma administrativa é uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para diminuir e otimizar o funcionamento da máquina pública.

Além de interferir nas contas do governo, o assunto também deve influenciar as eleições de 2022 por se tratar de um tema importante ao trabalhador e à classe dos servidores públicos.

Por isso o andamento do projeto deve movimentar o mercado nos próximos dias.

2) Nova reforma trabalhista - O Senado rejeitou a proposta da nova reforma trabalhista na noite de quarta-feira (1º).

A reforma, que já havia sido aprovada pela Câmara dos Deputados, cria novos regimes de contratação para jovens e um programa para contratação sem direito a férias, 13º salário e FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Essa reforma também deve repercutir no mercado nesta quinta-feira (2).

3) CPI da Covid - Na CPI da Covid, os senadores devem ouvir hoje Marconny Nunes Ribeiro. O lobista é suspeito de interferir na licitação pública para beneficiar a Precisa Medicamentos na aquisição de 12 milhões de testes de covid-19.

Seu depoimento pode ajudar a entender um suposto esquema que beneficiava empresas em licitações e o poder de influência da Precisa Medicamentos no processo.

Por isso, o mercado poderá responder ao depoimento hoje.

4) Indústria - O IBGE divulga os dados da produção da indústria no Brasil. O indicador ajuda os investidores a entender como está o setor e a criar expectativas para a economia nos próximos meses.

Os dados podem movimentar a Bolsa nesta quinta-feira (2), em especial as companhias ligadas à indústria.

5) Balança comercial dos EUA - Nesta quinta-feira (2) será divulgada a balança comercial nos EUA no mês de julho.

O dado mostra o número de importações e exportações feitas pelo país. Isso ajuda os investidores a traçar expectativas para as empresas no curto prazo e pode refletir na Bolsa por aqui também.

6) Desemprego nos EUA - Ainda nos EUA será divulgado o número de novos pedidos de seguro-desemprego feitos na última semana.

O dado é utilizado como uma prévia do relatório de empregos, que será divulgado na sexta (3), e ajuda o Banco Central norte-americano a definir a política de estímulos à economia.

Isso afeta as expectativas dos investidores e pode movimentar a Bolsa por aqui também.

Fique de Olho

No Fique de Olho de hoje, o analista Lucas Claro, do BTG Pactual Digital, traz a SLC Agrícola (SLCE3), que anunciou recentemente uma reavaliação independente de seu portfólio de terras.

O valor das terras na posse da companhia saltou 75% em relação a 2020, aumentando consideravelmente o patrimônio da empresa e confirmando sua tese de que os investimentos em terras no Brasil seriam positivos.

Segundo o analista, essa reavaliação é combustível para ajudar o preço das ações da empresa a ultrapassar sua máxima histórica nas próximas semanas.

O programa Café com Mercado é apresentado pela fundadora e presidente da Atom S.A., Carol Paiffer.

Conheça os recursos do serviço de orientação financeira UOL Economia+, para quem quer investir melhor.

Entre no grupo UOL Economia+ e receba notícias de investimento no WhatsApp.

Tem alguma dúvida ou sugestão? Fale com a gente: uoleconomiafinancas@uol.com.br

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE