PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Aéreas operam em queda de até 8%, após Câmara aprovar bagagem grátis

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
Conteúdo exclusivo para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

02/05/2022 15h12

Após a Câmara dos Deputados aprovar a volta do despacho gratuito de bagagem em voos domésticos e internacionais, na semana passada, as ações de empresas aéreas operam em queda hoje. A maior queda é da Azul (AZUL4), com baixa de 7,97%, a R$ 20,22. A Gol (GOLL4) perdia 6,84%, cotada a R$ 14,17, por volta das 14h45.

A bagagem gratuita ainda precisa ser votada pelo Senado, mas o governo quer derrubar a medida. Saiba mais abaixo e veja o que fazer com as ações.

O ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, disse em entrevista ao jornal Valor Econômico que o presidente Jair Bolsonaro (PL) deve vetar emenda que proíbe a cobrança de bagagem pelas companhias áreas, caso o Senado aprove a medida.

A emenda garante o direito dos passageiros de despachar uma mala de até 23 quilos em viagens nacionais e de 30 quilos em voos internacionais. Hoje, os passageiros têm direito a uma mala de mão gratuita de até dez quilos, para levar na cabine. Para despachar malas, as empresas podem cobrar pelo serviço.

A gratuidade foi incluída durante a tramitação da medida provisória do programa Voo Simples, lançado em 2020 pelo governo federal para desburocratizar o setor aéreo. Entre as mudanças propostas estão a eliminação da necessidade de contratos de concessão para companhias aéreas, o fim da obrigação de revalidar concessões a cada cinco anos, e o fim da exigência de autorização prévia para a construção de aeródromos.

Na semana passada, durante a teleconferência dos resultados do primeiro trimestre da Gol, Paulo Kakinoff, presidente da empresa, disse que cerca de 60% dos clientes da empresa compram tarifas sem bagagem. Portanto, se a medida for aprovada, ela poderá restringir o acesso dos consumidores a tarifas mais baixas, uma vez que os custos de despacho de bagagem seriam acrescidos às passagens, segundo ele.

"Isso ocorre em um momento em que o setor já enfrenta pressões de custos devido ao aumento dos preços dos combustíveis e à desvalorização do real", analisou o BTG, em relatório.

E o que fazer com as ações?

A Gol divulgou que teve lucro líquido de R$ 2,6 bilhões no primeiro trimestre, revertendo prejuízo de R$ 2,5 bilhões um ano antes.

A Azul, que divulga resultados no dia 9, teve tráfego total de passageiros de 7,2 milhões no primeiro trimestre de 2022, 32,9% a mais que no mesmo período de 2021.

O BTG continua recomendando as ações das duas empresas, já que "o segmento [de viagens domésticas] vem se recuperando mais rápido do que as viagens internacionais."

A XP tem recomendação neutra para Azul e Gol.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.