PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Confira 4 ações que custam até R$ 5 e podem ter valorização na Bolsa

Ações baratas na Bolsa: veja opções que custam cerca de R$ 5 na B3 - Getty Images
Ações baratas na Bolsa: veja opções que custam cerca de R$ 5 na B3 Imagem: Getty Images
só para assinantes

Fernando Barbosa

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/06/2022 04h00

Na Bolsa de Valores, os investidores podem apostar em grandes empresas para montar uma boa carteira e conseguir retorno a longo prazo. No entanto, há ações pouco exploradas e bastante acessíveis, o que pode ser uma vantagem para quem tem pouco para investir.

Para auxiliar os investidores, a reportagem do UOL consultou analistas para buscar ações que custam cerca de R$ 5 na B3. Mas há oportunidades e riscos. Por isso, é preciso avaliar os fundamentos de cada companhia e verificar se está de acordo com a sua estratégia e perfil de investidor. Confira a lista com quatro ações que custam cerca de R$ 5:

1) OceanPact

Empresa de embarcações marítimas, a OceanPact captou R$ 1,2 bilhão na sua estreia na Bolsa em fevereiro de 2021. De lá para cá, enfrentou algumas situações, como um acordo com o sindicato do setor para conceder reajuste salarial aos colaboradores. Entretanto, vem crescendo e chama atenção do mercado pelo desempenho.

A OceanPact se beneficiou da compra de várias embarcações a bons preços e cresceu muito rápido com os recursos do IPO. A companhia saiu de 23 para 34 embarcações em um ano.
Phil Soares, chefe de análise de ações na Órama

Ele diz, porém, que há um risco porque a metade dos contratos é com a Petrobras —o restante é com empresas independentes. No entanto, segundo Soares, se observado o valor de mercado das ações mais a dívida, a empresa está "substancialmente" abaixo do valor dos navios que ela detém.

No IPO, as ações foram negociadas a R$ 11,15. O preço atual está em torno de R$ 2,62, uma queda de 76,5%. Mas o analista da Órama acredita que a perspectiva é positiva. Isso porque o valor do petróleo em alta tende a incentivar os investimentos das petrolíferas na extração e produção, o que é bom para a OceanPact. A empresa vale R$ 9,4 bilhões na B3.

2) Ânima Educação

Operadora de faculdades, a Ânima Educação passou por um período difícil na pandemia, o que levou à queda da captação —um cenário comum entre os players do setor de educação.

Entretanto, desde a compra da Laureate, em novembro de 2020, praticamente dobrou seu tamanho. Para Phil Soares, a empresa vem registrando bons resultados no período recente.

A estimativa de captação nesse último ciclo do primeiro trimestre é positiva. Então, a Ânima já opera em um valor sustentável. Seu valor de mercado também está muito abaixo do que poderia, dada a sua perspectiva.
Phil Soares

O analista entende que a empresa possui faculdades de qualidade no portfólio, como São Judas Tadeu e Anhembi Morumbi. No ano, as ações da Ânima registram queda de 30%, a R$ 5,54. Seu valor de mercado é de R$ 2,2 bilhões.

3) Schulz

A Schulz é uma das maiores produtoras de compressores do Brasil, inclusive com exportações relevantes. O analista da Nord Research, Fabiano Vaz, diz que o segmento é bastante dependente do consumo e de uma economia aquecida. Ainda assim, a empresa tem se mostrado resiliente nessa linha de negócio.

Além disso, a Schulz também é responsável pela fabricação de peças e componentes para veículos pesados, como caminhões e tratores. Dessa forma, tem como clientes os produtores e empresas do agronegócio brasileiro.

É uma linha de negócio que fica bem exposta ao agro, que é onde a Schulz vai muito bem. A receita cresceu bastante nos últimos trimestres, e isso torna a empresa muito resiliente. É uma empresa familiar, mas muito bem administrada, com grande know-how nos dois setores.
Fabiano Vaz, analista da Nord Research

A Schulz está avaliada em R$ 9,4 bilhões, com o preço do papel cotado a R$ 4,62.

4) Oi BR

A Oi foi uma das empresas que mais enfrentaram dificuldades nos últimos anos em função de gestões passadas, afirma Fabiano Vaz. Agora, passa por uma forte reestruturação com a venda de ativos, como a negociação da Oi móvel concluída em abril.

Sua aposta para voltar a ser saudável financeiramente está na fibra óptica, o que deve ser fundamental para a expansão do 5G no país. Neste momento, a operação está dividida em duas partes: a fibra para tanto para o varejo, como pessoa física e pessoa jurídica, quanto para o atacado junto com a V.tal —que divide com o BTG Pactual.

É uma tese de bastante risco, está passando por uma grande reestruturação, tem uma dívida bastante elevada por seu histórico, mas é uma empresa que, a partir dessa recuperação judicial, vem fazendo um bom trabalho e entregando tudo o que prometeu, o que é bem interessante.
Fabiano Vaz

Em 2022, as ações ordinárias (com direito a voto) da Oi BR caem 38% desde o pico em fevereiro, avaliadas a R$ 0,66. No mesmo período, as ações preferenciais (maior pagamento de dividendos) registram recuo de 28,4%, a R$ 1,26. A empresa possui valor de mercado de R$ 4,1 bilhões.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.