PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Ibovespa: Cielo tem maior alta do dia e Gol maior queda; veja

Folhapress
Imagem: Folhapress
Conteúdo exclusivo para assinantes

UOL

Em São Paulo

13/06/2022 19h15

As ações da empresa Cielo tiveram a maior valorização desta segunda (13) entre as empresas presentes no Ibovespa (principal índice da B3, a Bolsa de Valores do Brasil). Já a companhia Gol foi a que mais sofreu perdas durante a sessão do dia. Confira ao fim do texto as ações que mais valorizaram e as que sofreram maior desvalorização.

O ranking leva em consideração as maiores altas e baixas apenas do índice - não engloba ações que não estão presentes nele, mas que são comercializadas na B3.

As ações da companhia Cielo (CIEL3) subiram 1,32%, negociadas a R$ 3,83. Já o papel da empresa Gol (GOLL4) teve queda diária de 14,46%, com os papéis cotados a R$ 9,94.

Nesta segunda, o Ibovespa, principal índice da B3, fechou em 102.598,18 pontos, variou -2,73% em relação ao dia anterior.

Confira as ações que mais subiram nesta segunda:

  1. Cielo: 1,32%
  2. Suzano: 0,7%
  3. EDP Energias do Brasil: 0,64%
  4. Taesa: 0,3%

Confira as ações que mais caíram nesta segunda:

  1. Gol: -14,46%
  2. CVC: -11,72%
  3. Méliuz: -11,11%
  4. Azul: -10,92%
  5. Via: -9,89%

Sabia que você pode ter acesso a uma plataforma de conteúdo para aprender a investir melhor? No UOL você tem acesso a carteiras recomendadas, e-books, grupos de WhatsApp e Telegram, lives exclusivas com especialistas em investimentos e finanças, análises da Bolsa e muito mais.

Assine agora tenha 7 dias grátis para acessar o melhor conteúdo do UOL

A assinatura também dá acesso irrestrito a conteúdos esportivos exclusivos, centenas de blogs e colunas de opinião, horóscopo mensal e comentários em notícias.

Este conteúdo foi gerado pelo sistema de produção automatizada de notícias do UOL e revisado pela redação antes de ser publicado.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.