PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Musk tem força para abalar investimentos em bitcoin e nas ações do Twitter?

Elon Musk, CEO da Tesla disse que a empresa vendeu Bitcoins por conta das incertezas na China - Lucy Nicholson/Reuters
Elon Musk, CEO da Tesla disse que a empresa vendeu Bitcoins por conta das incertezas na China Imagem: Lucy Nicholson/Reuters
só para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

22/07/2022 15h39

Num dia, a montadora de carros elétricos do bilionário Elon Musk, Tesla, vende 75% dos bitcoins que havia comprado e a cotação da cripto cai. No outro, a moeda começa a se recuperar. Afinal, qual é a real influência do homem mais rico do mundo no mercado de moedas digitais?

Além disso, o Twitter acabou de divulgar um prejuízo de US$ 270 milhões. Segundo a rede social, o motivo da perda é a negociação de compra frustrada com o bilionário, que é o homem mais rico do mundo.

Veja qual é a influência de Musk nesses dois investimentos, a criptomoeda bitcoin e a ação do Twitter.

Ontem, quinta-feira (21), pouco mais de um ano após investir na moeda digital, a fabricante de automóveis elétricos divulgou que vendeu o equivalente a US$ 936 milhões em Bitcoins. A montadora revelou no ano passado que tinha US$ 1,5 bilhão na criptomoeda, quando ela chegou a valor mais de R$ 340 mil. O preço do bitcoin recuou e agora vem sendo negociado entre R$ 120 e R$ 130 mil.

O presidente da empresa, Elon Musk, explicou que os "lockdowns" na China contra a covid motivaram a empresa a vender seus ativos digitais e ter mais dinheiro em caixa para se proteger.

Por que a Tesla vendeu bitcoins? Pode ser pra reforçar caixa, como a montadora afirmou. Mas também pode ter outro motivo, diz Ayron Ferreira, chefe de análise da Titanium Asset.

"O valor bate com o que ele precisa pagar de multa por ter desfeito o acordo de compra do Twitter", diz o analista. No início de julho, Musk comunicou a rede social que não levaria a compra adiante do Twitter por US$ 44 bilhões. E ele terá que pagar multa contratual de US$ 1 bilhão.

Seja qual foi o motivo da venda das moedas, em seguida à divulgação, o preço do bitcon despencou. A moeda, que havia iniciado o dia a R$ 127 mil, caiu a R$ 123. Mas até a meia-noite da quinta-feira já havia se recuperado, chegando novamente a R$ 127 mil.

"Isso prova que a bitcoin é uma moeda forte, que já não é mais tão suscetível às falas de Musk", diz Cássio Krupinsk, presidente da BlockBR, que negocia moedas digitais.

Musk pode influenciar o valor das criptomoedas? O fato é que - seja Musk ou o dono da Amazon, Jeff Bezos, ou até mesmo o fundador da Meta, Mark Zuckerberg - o mercado de criptomoedas sempre é impactado quando uma dessas personalidades fala do assunto.

Mas das mais de 2 mil criptomoedas existentes, apenas algumas delas, dentre elas bitcoin e ethereum, são mais bem estabelecidas e por isso sofrem menos influências desses comentários. Foi o que o bitcoin provou ontem. Ele chacoalhou mas voltou à linha, analisa Krupinsk.

Para Ferreira, foi até bom o que aconteceu com a moeda. "Musk provou que o bitcoin tem liquidez. Que quando é preciso vender, você faz isso rápido e na mesma hora", afirma.

Então vale a pena investir em bitcoin? Pode ser uma boa, segundo Marcio Loréga, analista-chefe do PagBank. Mas como é um mercado que varia muito, tanto para cima, como para baixo, o melhor é investir uma quantia que não faça falta caso o valor dos ativos digitais caiam muito. "Esse é um mercado muito novo. Estamos vendo ele crescer. Mas ainda precisa amadurecer bastante", diz Loréga.

Segundo ele, é mais interessante comprar pensando no longo prazo. Assim, o que acontece com a cotação da moeda digital quando o Musk fala algo acaba se diluindo ao longo dos anos.

Twitter é outra história O bitcoin não é o único investimento afetado pelas ações do homem mais rico do mundo. O Twitter registrou prejuízo de US$ 270 milhões no segundo trimestre do ano e diz que um dos motivos para a perda é justamente a negociação frustrada com Musk.

A empresa também afirmou que não iria fazer uma teleconferência com investidores acerca dos seus resultados - algo que empresas com capital aberto e ações em bolsa costumam fazer a cada trimestre para manter seus acionistas informados.

Qual é o problema? O bilionário, dono de US$ 228 bilhões, comprou 9,2% das ações da rede social em abril e tinha a intenção de comprar a plataforma por US$ 44 bilhões. Cerca de metade desse valor, US$ 21 bilhões, viriam do próprio bolso de Musk. Porém, ele desistiu da compra no início de julho. A empresa reagiu, anunciando que irá entrar com um processo contra o empresário para que ele finalize a aquisição. O bilionário diz que suspendeu a compra porque a empresa não forneceu dados sobre o número de contas fake na rede social.

Qual foi o prejuízo para o Twitter? Os custos da negociação já foram altos para a rede: US$ 33 milhões. As ações da rede social já perderam 22,9% de valor com essa história.

E vale investir no Twitter? O desconto nas ações pode fazer o investidor acreditar que essa é uma hora boa para compra. Mas não é o que dizem analistas.

Para o analista Guilherme Zanin, da Avenue Capital, o problema é que a ação do Twitter ficou dependente de um único evento, o futuro dessa negociação. Os fundamentos da empresa, seus investimentos - tudo isso fica num segundo plano, bem distante. "Quando isso acontece, o risco do ativo aumenta muito e eu não aconselho. Acho que é difícil prever o que pode acontecer", disse ele ao UOL no início de julho, quando Musk desistiu da compra.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.