Só para assinantesAssine UOL

Ações da T4F caem quase 6% depois de morte de fã em show da Taylor Swift

Depois da morte de uma fã da Taylor Swift durante o show no fim de semana, as ações da T4F Entretenimento (SHOW3) abriram o pregão desta segunda-feira (20) em queda. Por volta das 13h30, elas desvalorizavam 5,70% para R$ 2,15. A empresa tem ações em Bolsa desde 2011.

Não é possível determinar que a queda das ações esteja diretamente relacionada aos acontecimentos do final de semana. A B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, funciona hoje, apesar do feriado no estado. Com isso, o volume de negociação é mais baixo.

O que aconteceu

Na primeira noite da turnê de Taylor Swift no Rio de Janeiro, na sexta-feira (17), uma fã morreu. Ana Clara Benevides, de 23 anos, passou mal no começo da apresentação e faleceu após ser atendida. No dia deste show, os fãs não podiam entrar com água no estádio. Água era vendida a R$ 8 por 350 ml, para quem enfrentasse longas filas. A tragédia levou o governo federal a determinar que a produtora do evento T4F garantisse o acesso à água em todas as apresentações da cantora no Brasil.

O show de sábado (18) foi cancelado por causa das altas temperaturas no Rio. Na cidade, as temperaturas passaram de 40°C. O show de sábado deve acontecer nesta segunda-feira (20). Outro fã da cantora, Gabriel Mongenot Santana Milhomem Santos, de 25 anos, foi morto em um assalto na Praia de Copacabana, na Zona Zul do Rio de Janeiro, na madrugada do dia 19.

Na apresentação do domingo, 19, a cantora não citou as mortes. A americana se apresentou para mais de 60 mil pessoas no estádio.

Quem é a T4F

A T4F também é conhecida como Time 4 Fun, e é considerada a maior empresa do Brasil no segmento de shows. A empresa foi criada nos anos 1990 por empresários cariocas que eram sócios da casa de shows Canecão. T4F Entretenimento surgiu em 1998 e em seguida inaugurou o atual Vibra São Paulo em setembro. Entre os shows de artistas já produzidos pela companhia estão AC/DC, Roger Waters, Madonna, Paul MaCartney, Pearl Jam, Rolling Stones, Black Sabbath, Elton John, Foo Fighters e U2.

O maior acionista é Fernando Luiz Alterio. Ele tem 35% do capital. O executivo do setor do entrenimento também é marido da atriz Monica Martelli.

A empresa diminuiu desde que abriu capital. A companhia teve lucro líquido de R$ 33,7 milhões no quarto trimestre de 2011. No ano de 2010, o lucro chegou a R$ 61,07 milhões, uma alta de 52% frente aos R$ 40,26 milhões registrados em 2010. Ela cresscia até que chegou a pandemia.

Continua após a publicidade

Recentemente, teve prejuízos. No terceiro trimestre deste ano, a T4F conseguiu sair do vermelho e voltou a ter lucro líquido de R$ 3,7 milhões - dez vezes menos que o resultado do quarto trimestre de 2011. Mas melhor que o prejuízo de R$ 8,8 milhões em relação a igual período do ano passado.

Musical do Rei Leão e shows de Taylor Swift foram os destaques do trimestre. Serafim Abreu, presidente da empresa, destacou os dois eventos no release de ganhos da companhia referente ao período de julho, agosto e setembro deste ano. "Iniciamos o terceiro trimestre com a estreia do musical O Rei Leão, o maior da Broadway, numa parceria com a Disney que traz a peça de volta ao Brasil após dez anos. Concluímos as vendas, com sold-out absoluto, dos seis shows da turnê 'The Eras Tour', da cantora de sucesso mundial Taylor Swift", publicou o executivo.

Empresa perdeu eventos. No ano passado, quando a demanda por shows foi restabelecida após o impacto da pandemia, a empresa anunciou o fim do contrato com uma de suas principais fontes de receita, o festival Lollapalooza. O último foi este ano.

O contrato não foi renovado e o festival será realizado pela Live Nation, responsável pelo Rock in Rio. A T4F também realiza no Brasil o espanhol Primavera Sound, que chegou no Brasil em 2022, e acontece em São Paulo entre 2 e 3 de dezembro, com The Cure e The Killers.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Deixe seu comentário

Só para assinantes