Bolsas

Câmbio

ChemChina oferece soma recorde por multinacional agroquímica Syngenta

Zurique, Suíça, 3 Fev 2016 (AFP) - O gigante estatal químico chinês ChemChina ofereceu uma soma recorde de 43 bilhões de dólares pela multinacional suíça especializada em produtos agroquímicos Syngenta, cujo conselho administrativo aprovou de forma unânime a proposta.

A operação representa a aquisição mais importante de uma empresa chinesa no exterior, indica um comunicado divulgado pelos dois grupos.

De concreto, a China National Chemical Corp (ChemChina) oferece 465 dólares por ação nominal, aos quais se acrescentará um dividendo especial de cinco francos suíços por título (quase 5 dólares).

A notícia influenciou a Bolsa de Zurique, onde a ação da Syngenta subiu mais de 5% pela manhã, em um mercado que retrocedia 0,29%.

A fusão, mediante uma Oferta Pública de Aquisição (OPA), será lançada formalmente durante as próximas duas semanas na Suíça e nos Estados Unidos e deve ser concluída antes do fim do ano.

No ano passado, a Syngenta rejeitou uma OPA de 47 bilhões de dólares de sua concorrente americana Monsanto, que agora estuda uma contraofensiva.

A ChemChina, um gigantesco conglomerado cuja gestão depende diretamente do governo central chinês, realiza uma política de forte expansão internacional.

Em 2015, assumiu o controle do fabricante de pneus italiano Pirelli, em uma operação de 7,4 bilhões de euros, e recentemente anunciou a aquisição da Kraussmaffei, um emblemático fabricante alemão de máquinas e equipamentos para a indústria do plástico, por 925 milhões de euros.

Em sua busca pela diversificação, a ChemChina garantiu em janeiro deste ano 12% de participação no capital da empresa de corretagem suíça Mercuria.

A aquisição da Syngenta converterá a ChemChina num dos maiores fabricantes de pesticidas e agroquímicos do mundo, reduzindo, ao mesmo tempo, sua dependência das atividades petroquímicas.

A ChemChina também poderá ingressar no setor da elaboração e comercialização de grãos.

As melhorias de grãos e tecnologias agrícolas são essenciais para as autoridades chinesas, que enfrentam o desafio de alimentar uma população de 1,3 bilhão de habitantes em um país onde as terras cultiváveis se reduzem de forma inexorável.

Mas a aliança tem ambições maiores. "Nossa visão não se limita a interesses mútuos, e sim responder aos interesses dos agricultores e consumidores de todo o mundo", declarou o presidente da ChemChina, Ren Jianxin, citado no comunicado.

A oferta da ChemChina tem um financiamento sólido, segundo a Syngenta, uma referência ao fato de que a fusão deverá ser concretizada principalmente nos Estados Unidos, um de seus principais mercados.

Em 2005, o gigante petroleiro chinês CNOOC teve de renunciar a um projeto de aquisição do grupo americano Unocal, no valor de 18,5 bilhões de de dólares, devido à forte oposição política que o projeto gerou em Washington.

A proposta à ChemChina, no entanto, pode ser bem recebida pelos acionistas, pois é totalmente em efetivo, embora possa, também, enfrentar resistências políticas, alerta um analista do banco alemão Baader.

Certo é que se trata da maior aquisição chinesa de uma empresa estrangeira, muito à frente da compra, em 2013 e por 15,1 bilhões de dólares, do grupo canadense Nexen pela petroleira CNOOC.

noo-jug/ehl/pre/js/app/cn

SYNGENTA

China Unicom

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos