FAO: preços dos alimentos sobem pelo terceiro mês consecutivo

Roma, 5 Mai 2016 (AFP) - Os preços mundiais dos principais alimentos básicos registraram em abril o terceiro aumento mensal consecutivo depois de quatro anos de queda, anunciou a FAO.

O Índice de Preços dos Alimentos elaborado pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) alcançou a média de 151,8 pontos em abril, com aumento de 0,7% em relação a março.

"O aumento de abril foi estimulado pelos preços do óleo de palma e, em menor medida, dos cereais, enquanto o preço do açúcar baixou depois de um forte aumento em março", afirma em um comunicado a agência da ONU, que tem sede em Roma.

O índice de preços dos alimentos da FAO é estabelecido com base nos intercâmbios comerciais de cinco grupos principais de produtos básicos alimentares: cereais, óleos vegetais, produtos lácteos, carne e açúcar.

A previsão atualizada da FAO sobre a colheita mundial de cereais aponta para mercados estáveis aos produtos básicos.

A queda dos preços nos último ano refletiu a oferta abundante dos alimentos, a desaceleração da economia mundial e a valorização do dólar, explica um comunicado.

O índice de preços dos óleos vegetais da FAO aumentou 4,1%, devido em grande parte a uma perspectiva negativa sobre a produção do óleo de palma para 2016, acompanhada por uma demanda crescente em todo o mundo.

O índice de preços dos cereais subiu 1,5% em abril, principalmente pelas cotações internacionais do milho.

Ao mesmo tempo, o preço do arroz teve uma leve queda, enquanto os mercados de trigo registraram aumentos limitados em meio às expectativas para a colheita da nova temporada.

Os preços dos produtos lácteos caíram 2,2% e o índice da carne subiu 0,8%, estimulado pela forte demanda de carne bovina australiana nos Estados Unidos.

O índice de preços do açúcar da FAO caiu 1,7% em abril, depois de um forte aumento de 17% no mês anterior. Apesar da persistência da preocupação com a produção mundial, o Brasil - principal exportador - teve a segunda melhor colheita da história e prevê uma redução no uso da cana de açúcar para produzir etanol.

Os subíndices do açúcar e dos óleos vegetais são os únicos que estão atualmente em níveis superiores aos de abril de 2015.

A FAO elevou levemente a previsão para a produção mundial de cereais em 2016, a cerca de 2,526 bilhões de toneladas, praticamente a mesma que em 2015 e, potencialmente, com a capacidade de ser a segunda maior colheita mundial registrada até hoje, segundo a organização.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos