Japonesa Mitsubishi Materials indenizará prisioneiros de guerra chineses

Tóquio, 1 Jun 2016 (AFP) - O grupo japonês Mitsubishi Materials Corporation indenizará pela primeira vez três ex-prisioneiros de guerra chineses, submetidos a trabalhos forçados durante a Segunda Guerra Mundial, um gesto que poderia se estender a outras 3.000 vítimas.

"Mitsubishi Materials apresentou suas sinceras desculpas aos antigos trabalhadores, reconhecendo sua responsabilidade histórica", declara a empresa em um comunicado divulgado nesta quarta-feira depois de uma cerimônia em Pequim.

O acordo prevê o pagamento de 100.000 yuans (13.600 euros) para cada um dos três ex-trabalhadores de minas pelos danos sofridos.

Mitsubishi também anunciou a criação de um fundo na China para encontrar outros ex-empregados (mais de 3.700), ou seus parentes, se já tiverem morrido, e compensar aqueles que cumprirem com as condições.

Dezenas de milhares de chineses foram vítimas de trabalhos forçados, uma prática amplamente utilizada pelo Japão para aliviar a sua escassez de mão de obra durante a Segunda Guerra Mundial.

O grupo Mitsubishi, presente em setores tão diversos como cimento ou eletrônica, também prevê a construção de monumentos em memória das vítimas.

Mitsubishi Materials desculpou-se no ano passado com os antigos prisioneiros de guerra americanos - cerca de 900 - forçados a trabalhar nas minas de seu antecessor Mitsubishi Mining.

Os conglomerados japoneses que contribuíram para a engrenagem militar japonesa foram desmantelados após a derrota japonesa em 1945, sob as ordens do ocupante americano.

As empresas que atualmente têm o mesmo nome, no todo ou em parte, são entidades jurídicas distintas, mesmo se herdeiras.

A China pede que o Japão peça desculpas pelo seu passado imperialista. As disputas históricas continuam a prejudicar as relações bilaterais, chegando às vezes a afetar os negócios das empresas japonesas na China.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos