Bolsas

Câmbio

'Fracking verde' pode combater o aquecimento global (estudo)

Paris, 29 Jun 2016 (AFP) - Adicionar dióxido de carbono (CO2) em vez de água na mistura usada no fraturamento hidráulico (fracking) pode aumentar a extração de petróleo e gás de xisto e, ao mesmo tempo, ajudar a combater o aquecimento global, de acordo com um estudo publicado recentemente na revista científica Nature Communications.

A técnica de fracking consiste em injetar água, areia e produtos químicos dentro de formações rochosas para liberar combustíveis fósseis. A introdução à alta pressão dessa mistura cria pequenas fissuras na rocha, provocando a liberação de metano.

O uso de água funciona bem no início, mas a eficácia vai diminuindo gradualmente, seguida por um "rápido declínio da produtividade", disse à AFP Benoit Coasne, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, principal autor do estudo.

Em um nível microscópico, a água ajuda a formar "barreiras de energia" que eventualmente limitam o número de moléculas de metano que podem ser extraídas, afirmou o pesquisador.

Coasne e seus colegas usaram simulações de computador e modelos estatísticos para procurar uma maneira de aprimorar o método.

Eles descobriram que trocar a água por CO2 - aquecido até ficar entre líquido e gasoso - eliminaria o problema, prolongando assim a vida útil de um poço de fracking.

"Nosso estudo demonstra que soluções alternativas são possíveis", disse Coasne.

Há também um potencial benefício colateral: o dióxido de carbono substituiria naturalmente o metano no interior dos poros da rocha, o que "aumenta as esperanças de que o CO2 possa ser armazenado no solo".

O CO2 é, de longe, o maior responsável pelo aquecimento global.

Efeito bumerangue Os críticos do fracking alertam sobre seus impactos ambientais, principalmente a contaminação da água e a possibilidade de desencadear terremotos.

Não se sabe a quantidade de metano - um gás do efeito estufa 25 vezes mais potente que o CO2 - que vaza para a atmosfera durante o fraturamento hidráulico.

A equipe de Coasne não calculou qual seria o custo de usar CO2 no líquido do fracking, ou quanto desse gás poderia ser armazenado com segurança no subsolo.

Passar da teoria para a prática "é um grande passo", reconheceu Coasne, e mais pesquisas são necessárias para determinar se a ideia é viável.

"Acreditamos que é importante apresentar fatos científicos para ajudar os políticos e o público a decidirem", acrescentou o pesquisador.

O fracking transformou o mercado de energia dos EUA na última década, e já é responsável por dois terços do gás natural e metade do petróleo bruto produzidos no país.

Em 2000, a técnica era responsável por menos de 2% da produção nacional de petróleo.

Esse aumento tem contribuído para uma queda nos preços globais do petróleo que, em uma espécie de efeito 'bumerangue', acabou atingindo com força o setor do fracking. Dezenas de perfuradores de xisto declararam falência no ano passado.

Especialistas dizem que o preço atual do petróleo, de cerca de 50 dólares por barril, é o limite para que a extração de gás de xisto seja rentável.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos