Bolsas

Câmbio

Venezuela tenta deixar grave crise econômica com ajuda de militares

Caracas, 12 Jul 2016 (AFP) - A interrupção das operações de várias multinacionais na Venezuela e do Citibank como responsável pelo pagamento das contas do país no exterior acentua a crise econômica, da qual o governo tenta sair dando mais poder aos militares.

O banco americano Citibank confirmou nesta terça-feira (12) sua decisão de fechar uma conta usada pelo Banco Central da Venezuela (BCV) para fazer seus pagamentos internacionais.

"Após uma avaliação periódica de gestão de risco na Venezuela, o Citi decidiu encerrar (as atividades) como banco correspondente e interromper o serviço de certas contas no país", informou o Citibank em comunicado.

Na véspera, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, já havia denunciado o que chamou de "boicote financeiro", dizendo que o Citibank notificou o fechamento da conta "sem aviso prévio".

Por intermédio do Citibank, a Venezuela paga em 24 horas todas as contas nos Estados Unidos e no mundo, advertiu Maduro. A medida põe o país em grandes dificuldades, já que, agora, precisará buscar outro banco correspondente para evitar ficar à margem do sistema financeiro internacional.

"Isso acrescenta uma complicação, porque dificulta os pagamentos externos e torna mais complexas as transações externas em um país já em severa crise", disse à AFP o deputado opositor José Guerra, ex-diretor do BCV.

A decisão do Citibank se segue aos anúncios já feitos de fechamentos, ou cortes de operações, de empresas na Venezuela, como Coca Cola, os grupos americanos Kraft Heinz e Clorox, ou as companhias aéreas Lufthansa, Aeroméxico, ou American Airlines.

Começando a cumprir sua ameaça de intervir nas empresas que paralisarem suas operações, o governo assumiu o controle ontem da fábrica da empresa americana de produtos de higiene pessoal Kimberly-Clark, entregando-a aos trabalhadores. A companhia havia suspendido suas operações por causa da "deterioração" da economia venezuelana.

"Ninguém vai parar a Venezuela. Com Citibank, ou sem Citibank, nós vamos. Com Kimberly, ou sem Kimberly, a Venezuela vai", advertiu.

O país com as maiores reservas de petróleo do mundo sofre uma grave crise pela queda dos preços do petróleo, com uma escassez que chega a 80% de alimentos e remédios, além de uma inflação de 180% em 2015. A projeção para 2016 do Fundo Monetário Internacional (FMI) é que chegue a 720%.

"As empresas vão embora, porque não recebem divisas, não têm como importar insumos e deixam de produzir. A resposta é tomar a fábrica, mas os trabalhadores vão produzir com o quê?", questiona o economista e diretor da consultoria Ecoanalítica, Pedro Palma.

Analistas críticos do governo e da oposição afirmam que a crise é resultado do modelo socialista e do regime de controle cambial em vigor desde 2003. Maduro rebate as acusações, dizendo-se vítima de uma "guerra econômica" que tenta provocar o mal-estar da população para derrubá-lo.

Militarização da economiaEm reação ao agravamento da crise, Maduro anunciou ontem à noite um novo plano contra a escassez, intitulado "Grande Missão de Abastecimento". Sua execução ficará a cargo do ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López. As demais pastas ficarão subordinadas aos militares.

"Estamos vendo uma grande substituição dos civis pelos militares, que são os que estão sustentando o governo de Maduro. Isso, a história do Citibank e das empresas que vão embora, afeta a imagem do país e a insatisfação na Venezuela", manifestou o economista Jesús Casique.

Portos, aeroportos e várias empresas amanheceram com forte presença de efetivos da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB). As tropas foram enviadas para fiscalizar a distribuição de alimentos e de outros produtos básicos nos estados de Vargas, Miranda, Falcón, Lara, Zulia e Anzoátegui.

"Não me agrada a intervenção militar" em assuntos civis, mas "este é um assunto de segurança e de defesa da nação", justificou Padrino López.

"É um assunto de disciplina", completou.

Maduro argumenta que os militares vão estabelecer a ordem, pois, segundo ele, a iniciativa privada controla 93% da distribuição de produtos básicos e "está pulverizando" todo o sistema com monopólio e especulação.

"Não há qualquer mudança relevante, salvo o aprofundamento desse modelo que, até agora, o que fez foi destruir a capacidade produtiva do país", afirmou o economista Luis Vicente León, da Datanálisis.

O aumento do poder militar na política e na economia deflagrou fortes críticas em diferentes setores no país. Hoje, por exemplo, o Exército comanda dez de cerca de 30 ministérios.

"Ameaça a tranquilidade e a paz", declarou a Conferência Episcopal, nesta terça.

Já o presidente do Parlamento, Henry Ramos Allup, disse que se reforça "a nefasta imagem do 'pretorianismo'", referindo-se ao excesso de poder militar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos