Bolsas

Câmbio

Banco italiano BMPS busca salvação em difícil operação de recapitalização

Milão, 21 dez 2016 (AFP) - O banco italiano BMPS, o mais antigo do mundo e em grandes dificuldades financeiras, espera nesta quarta-feira a difícil salvação a poucas horas de encerrar uma operação de recapitalização, de resultado incerto.

Em caso de fracasso, o Estado italiano está pronto para intervir, e o Parlamento já começou a debater a demanda formulada pelo governo de um aumento da dívida pública de 20 bilhões de euros, destinados a ajudar os bancos.

A ação do Monte dei Paschi di Siena (BMPS), fundado em 1472, chegou a cair até 18% nesta quarta-feira na Bolsa de Milão, onde sua cotação foi suspensa várias vezes, antes de recuperar-se no final da manhã.

O BMPS, terceiro maior banco italiano, é o ponto fraco do sistema bancário italiano, cuja fragilidade e créditos duvidosos -que sem dúvida jamais serão devolvidos- inquietam toda a Europa.

"O mercado contém a respiração antes do resultado dessas difíceis operações de recapitalização. Há rumores segundo os quais o banco só tem quatro meses de liquidez", comentou nesta quarta-feira Michael van Duliken, analista da Acdendo Markets.

O BMPS registrou os piores resultados dos testes de resistência publicados no final de julho pela Autoridade bancária europeia (EBA). Esses testes medem a capacidade de um banco para enfrentar choques conjunturais.

As autoridades italianas se esforçam como podem para tranquilizar os mercados, tanto na Itália como na Europa, onde a fragilidade do sistema bancário da terceira economia da zona do euro preocupa.

O BMPS "não está à beira do abismo", afirmou nesta quarta-feira o ministro das Finanças Pier Carlo Padoan.

O BMPS, cujas ações sofreram uma desvalorização de 80% desde o início de 2016, implementou um plano de resgate integral com a venda de 27,6 bilhões de euros de empréstimos duvidosos e uma ampliação de capital.

A primeira parte desse plano, uma operação de conversão voluntária de bônus, já arrecadou mais de 1 bilhão de euros.

CeticismoOs meios italianos e os analistas se mostram céticos sobre o êxito da operação e acreditam cada vez mais em uma inevitável intervenção do Estado. Sobretudo porque é difícil que consiga fechar uma ampliação de capital de 5 bilhões de euros que o banco lançou nesta segunda-feira e que estará aberta até quinta-feira às 13H00 GMT (11H00 horário de Brasília).

Se o Estado tiver que intervir, fará isso por um procedimento chamado "recapitalização preventiva", que impõe uma contribuição de acionistas e donos de títulos, através de uma negociação forçada dos bônus a um nível muito menos interessante que o oferecido atualmente.

Mas o governo prevê um mecanismo para compensar as perdas dos pequenos poupadores; muitos italianos aceitaram esse tipo de compromisso sem conhecer seu verdadeiro risco.

O BMPS está em dificuldade há anos. Foi fragilizado pela desastrosa compra em 2007 do banco Antonveneta, e depois pelo escândalo de prevaricação, com o qual acumulou as perdas de 14 bilhões de euros entre entre 2011 e 2015.

Desde 2014, implementou duas ampliações de capital de 8 bilhões de euros, quantia já dissipada.

O sistema bancário italiano em seu conjunto gera grande preocupação devido à sua dispersão (cerca de 700 estabelecimentos) e à importância dos créditos morosos em sua carteira, estimados em 360 bilhões de euros, um terço do total da zona do euro.

bur-ob/ggy/me/jz/cc/mvv

BANCA MONTE DEI PASCHI DI SIENA

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos