Bolsas

Câmbio

Políticas de Trump preocupam empresas dos EUA, diz Fed

Washington, 2 Mar 2017 (AFP) - Embora otimistas, as empresas americanas estão preocupadas com a incerteza em relação aos planos econômicos do presidente Donald Trump - declarou o Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA), nesta quarta-feira (1º).

A pesquisa feita pelos 12 distritos do Fed mostrou que o mercado de trabalho está se estreitando e que, em algumas regiões, é difícil preencher vagas. Não se vislumbram, porém, pressões inflacionárias.

"Alguns entrevistados manifestaram sua preocupação com as mudanças de política na nova administração e com as incertezas correlatas", disse o Fed de Boston no Livro Bege - informe que reúne opiniões de economistas e de agentes econômicos de todo o país como preparação para a reunião sobre política monetária, em 14 e 15 de março.

O Fed de Cleveland ressaltou, por sua vez, que "a indústria automotiva está preocupada com o possível impacto de um ajuste de impostos alfandegários".

O governo Trump já sinalizou que considera taxar as importações, mas não as exportações.

Diante dessa possibilidade, as montadoras advertem que "as peças de automóveis cruzam a fronteira muitas vezes até a montagem final" e que esse tipo de imposto "pode resultar no aumento do preço" dos veículos.

O Federal Reserve de Dallas também reportou uma "crescente incerteza" em relação às próximas mudanças na política, especialmente no setor de manufaturas.

E o Fed de São Francisco citou preocupações com o impacto que os limites à imigração podem ter no setor da agricultura, "particularmente durante a temporada de colheita", com efeitos no custo da mão de obra.

- Pressão nos preços com pouca mudançaOs 12 distritos do Fed apontaram um "modesto ou moderado" crescimento econômico desde o início do ano.

"As empresas se mostraram, no geral, otimistas quanto à perspectiva a curto prazo, mas em menor grau do que no informa anterior", divulgado em 18 de janeiro.

A enquete não traz grandes alertas que apontem para um aumento em breve nas taxas de juros, mas, ainda assim, os analistas esperam cada vez mais que o Fed volte a aumentá-las de novo este mês, com base em dados de outros relatórios.

"As pressões de preços se modificaram pouco em relação ao informe anterior", disse a pesquisa do Fed, destacando que a maioria dos distritos indicou aumentos de preços modestos, ou moderados.

A medida de inflação preferida pelo Fed - o Índice de Preços de Gastos de Consumo - cresceu, porém, a uma taxa anual de 1,9% em janeiro, muito perto da meta de 2% do Fed, de acordo com dados divulgados nesta quarta. Esse ritmo não era visto desde outubro de 2012.

Quase todos os distritos ressaltaram que as empresas têm problemas para preencher vagas - sobretudo, com trabalhadores altamente qualificados -, o que pressiona um aumento nos salários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos