Bruxelas autoriza fusão de Syngenta e ChemChina com condições

Bruxelas, 5 Abr 2017 (AFP) - A fusão entre o gigante da química ChemChina e seu rival suíço Syngenta pode ocorrer, sob a condição de que o grupo chinês ceda partes significativas de sua atividade na Europa em pesticidas, anunciou nesta quarta-feira a Comissão Europeia.

"A ChemChina propôs importantes medidas corretivas, que respondem plenamente as nossas preocupações em matéria de concorrência, o que nos permitiu autorizar a operação", disse em um comunicado a comissária europeia do ramo, Margrethe Vestager.

O Executivo comunitário abriu em outubro uma investigação sobre a proposta de aquisição por 43 bilhões de dólares da Syngenta por parte da ChemChina, a maior de um grupo chinês no exterior, ao ressaltar uma eventual redução da concorrência nos mercados de pesticidas e de reguladores de crescimento vegetal.

Concretamente, a ChemChina possui o Adama, o maior distribuidor de produtos fitossanitários genéricos na Europa. Para Bruxelas, seus produtos se solapariam parcialmente aos da Syngenta, que também possui um amplo leque de produtos como herbicidas, inseticidas, fungicidas e reguladores do crescimento das plantas.

Para acabar com as dúvidas da Comissão, o grupo chinês se comprometeu a ceder "uma parte significativa do Adama" no campo dos pesticidas, assim como "alguns pesticidas da Syngenta" e "uma parte significativa das atividades de 'reguladores de crescimento vegetal para os cereais' do Adama", entre outros.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos