Bangladesh recorda uma das piores tragédias do setor têxtil

Savar, Bangladesh, 24 Abr 2017 (AFP) - Milhares de operários têxteis recordaram nesta segunda-feira o quarto aniversário de um dos piores acidentes industriais da história de Bangladesh, quando faleceram 1.138 pessoas.

Inúmeros sobreviventes choraram durante a manifestação que ocorreu no local do desabamento do prédio que abrigava oficinas de costura na periferia da capital Daca, assim como no cemitério, onde muitas das vítimas foram enterradas.

O drama de 24 de abril de 2013 colocou em evidência a face oculta da terceirização das grandes marcas de roupas ocidentais, consequência da necessidade por reduzir os custos de produção em uma economia globalizada.

Quatro anos depois, a justiça local não pronunciou ainda qualquer condenação a respeito do caso Rana Plaza. No entanto,um tribunal ordenou no ano passado que o proprietário do imóvel e outras 40 pessoas fossem julgadas por homicídio.

Os suspeitos são acusados de ter mentido sobre a segurança do imóvel. Milhares de operários foram forçados a entrar no prédio para trabalhar, apesar de alguns já terem expressado sua preocupação a respeito das fissuras na estrutura da construção.

Cerca de 2.000 pessoas ficaram feridas no desabamento.

As cerimônias desta segunda-feira foram marcadas por protestos pedindo um salário maior para os quatro milhões de operários têxteis de Bangladesh, onde salário mínimo é de 68 dólares por mês.

Bangladesh é o segundo país exportador têxtil do mundo, depois da China. O setor tem um peso de 30 milhões de dólares neste país pobre do sudeste asiático, que conta com 4.500 fábricas, das quais apenas algumas centenas respeitam as normas de segurança.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos