Bolsas

Câmbio

Republicanos finalizam reforma fiscal

Washington, 2 Nov 2017 (AFP) - Os republicanos se preparavam para finalizar a reforma fiscal que será apresentada ao Congresso, apesar das divisões internas e da pressão do presidente Donald Trump para obter uma vitória legislativa até o fim do ano.

A nova medida deve representar o maior ajuste tributário desde o governo de Ronald Reagan na década de 1980.

Mas as divergências internas afetaram as últimas horas de negociações, que acontecem em sigilo. Nenhum democrata apoia a reforma, o que faz com que o Partido Republicano necessite do apoio de todos os seus congressistas.

De acordo com detalhes da legislação que vazaram para a imprensa, a escala do imposto de renda mudará com uma redução para todas as faixas. A taxa máxima atual de 39,6% será mantida, mas será aplicada a partir de 500.000 dólares de rendimentos (um milhão para os casados), um parâmetro maior que o atual.

O plano republicano quer suprimir quase todas as deduções fiscais, um tema que provocou as divergências mais intensas no partido. A apresentação da reforma foi adiada em um dia para tentar obter justamente um compromisso.

Ao mesmo tempo prosseguirão as deduções para os juros vinculados a empréstimos imobiliários, mas um limite será estabelecido. Também será aditado um teto para os impostos locais e serão conservados os planos de pensões (conhecidos como 401k).

O imposto sobre as heranças, que atualmente apenas as grandes fortunas pagam, será revogado dentro de seis anos, enquanto o imposto sobre as empresa vai cair de 35% a 20%, como anteciparam a Casa Branca e os republicanos.

ico-mlm/spc/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos