Bolsas

Câmbio

Estados Unidos criam menos vagas, mas desemprego continua baixo

Washington, 5 Jan 2018 (AFP) - A economia dos Estados Unidos teve uma geração de empregos decepcionante, apesar das boas contratações na indústria e na construção, segundo dados oficiais desta sexta-feira (5).

Com o país perto do pleno emprego, a taxa de desemprego se manteve em 4,1% - a mais baixa de 17 anos.

As empresas incorporaram 148 mil novos funcionários em dezembro. Economistas estimavam 200 mil novos empregos.

O otimismo tinha sido alimentado na quinta-feira, quando a empresa ADP informou que o setor privado criou 250 mil novas vagas.

A revisão dos dados de outubro e novembro também reduziram 9 mil empregos. Assim, o último trimestre de 2017 ficou mais decepcionante.

A média de empregos criados nos últimos três meses do ano foi de 204 mil, segundo o Departamento de Trabalho.

O menor crescimento poderia ser atribuído à aproximação do pleno emprego - que torna mais difícil encontrar mão de obra qualificada, um sentimento que se espalha em várias empresas.

Várias companhias relataram que os salários deveriam subir para conseguir novos funcionários, e isso refletiu o aumento do salário médio por hora de trabalho a 26,63 dólares - ante 36,54 de novembro. Em dezembro de 2016, essa remuneração era de 25,95 dólares.

A alta salarial é de 2,5% ao longo do ano, levemente acima da inflação.

- Volatilidade -Os analistas cujas previsões estavam erradas atribuíram a geração mais baixa de empregos à volatilidade das estimativas.

Os mercados pareceram não se abalar pelos resultados, revelados junto com o anúncio de que o déficit comercial de novembro foi o mais alto em cinco anos. Wall Street alcançou novos recordes.

Jim O'Sullivan, da High Frequence Economics, que calculou que 210 mil empregos seriam criados no mês passado, relativizou: "O erro não foi muito grande dada a volatilidade normal, e não há sinais de que a tendência geral se tenha enfraquecido".

Ele alertou que o número médio de empregos criados mensalmente foi de 171 mil e a taxa de desemprego caiu 0,6 ponto percentual.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos