ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

As frases do dia em Davos

23/01/2018 20h28

Davos, Suíça, 23 Jan 2018 (AFP) - Após uma nevasca intensa, o Fórum Econômico Mundial (WEF) de Davos teve início nesta terça-feira, com diversos seminários, debates e intervenções de líderes políticos e econômicos.

Essas são as melhores frases do dia:

"Espero que possamos demostrar coletivamente que, mesmo sem testosterona, é possível (...) encontrar soluções" para os problemas do mundo.

Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), sobre a presença de mulheres no fórum (apenas 21% neste ano).

"É preciso saber o que representa a pontuação (de um motorista de Uber), que avalia como dirige, mas não se se trata de um assassino em série".

Dara Khosrowshahi, conselheiro delegado da Uber, em referência a um assassinato cometido em 2016 nos Estados Unidos por um motorista da empresa.

"Quem sabe dirá. Poderia ser totalmente encantador, ou poderia ser muito agressivo. E acho que será agressivo, porque é para isso que vem".

Richard Edelman, presidente de Edelman, importante companha de relações públicas americana, sobre a visita de Donald Trump a Davos.

Estamos trabalhando muito duro para assegurar que nosso vizinho do sul (Estados Unidos) reconheça o bem do Nafta".

Justin Trudeau, primeiro-ministro canadense, sobre a renegociação do Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta), entre Canadá, México e Estados Unidos.

"A experiência me ensinou a nunca apostar contra os Estados Unidos, não é uma estratégia vencedora".

Tidjane Thiam, presidente de Credit Suisse.

"O que mais gosto em um livro é o cheiro, tem alguma coisa, define quem é. Odeio a tecnologia, as redes sociais. Não servem para nada".

Mike Stilkey, artista de Los Angeles convidado para o fórum que criou uma instalação de oito metros de altura pintada sobre 8.000 livros antigos.

"Quero que o vento da cultura de todos os países entre em minha casa com calma e saia. Contudo, não deixarei que esses ventos arranquem meus pés".

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, no seu discurso inaugural sobre a globalização.

arp-pc/mb/ll/cc

Mais Economia