ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Instituições da UE alcançam acordo sobre trabalhadores deslocados

01/03/2018 13h10

Bruxelas, 1 Mar 2018 (AFP) - As instituições da União Europeia (UE) alcançaram nesta quinta-feira um consenso sobre a reforma da política de trabalhadores deslocados, que fixa em 12 meses a possibilidade de um europeu trabalhar em outros países do bloco sem autorização de seu país de origem.

"Alcançamos um consenso sobre a diretriz de trabalhadores deslocados", anunciou em coletiva de imprensa a vice-ministra búlgara de Trabalho, Zornitsa Roussinova, cujo país exerce a presidência rotativa do bloco.

Para a relatora da Eurocâmara, Elisabeth Morin-Chartier, "é um grande avanço". "Tenho grandes esperanças de que, entre maio e junho, tenhamos completado a revisão dessa diretriz", acrescentou a eurodeputada francesa na coletiva.

As negociadoras da Eurocâmara, da Comissão Europeia e do Conselho da UE, que representa os 28 países do bloco, alcançaram este princípio de acordo, em sua opinião, equilibrado.

Segundo a reforma, apresentada em março de 2016 pelo Executivo comunitário, um trabalhador deslocado deve receber a mesma remuneração que um local, tanto o salário mínimo - como já acontecia -, como todos os extras previstos, entre eles o bônus de velhice.

A Eurocâmara cedeu em uma de suas duas reivindicações durante a negociação. Com isso, o tempo máximo para um trabalhador deslocado trabalhar em outro país sem autorização seria de 12 meses, a metade do solicitado pelo Parlamento Europeu e pela Comissão.

A partir do primeiro ano, uma duração defendida pelo governo do presidente francês Emmanuel Macron, as empresas deverão solicitar às autoridades nacionais uma prorrogação de 6 meses para o trabalhador deslocado.

Por fim, o setor do transporte rodoviário, sensível no bloco, ficará de fora da diretriz reformada, submetendo-se ainda à vigente até que entre em vigor uma legislação específica.

Este primeiro entendimento das três instituições europeias abre o caminho para um texto definitivo da reforma, que deve ser aprovado mais adiante.

A partir da aprovação final, os países da UE terão dois anos para transpor a diretriz para suas legislações nacionais, como reclamava a Eurocâmara, e não quatro anos como pediam as capitais europeias.

clp-tjc/pb/fp/ll

Mais Economia