ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Lucro da AB InBev registra forte alta em 2017 após a compra da SABMiller

01/03/2018 10h13

Bruxelas, 1 Mar 2018 (AFP) - A empresa AB InBev, de capital belga e brasileiro, líder mundial do setor de cervejas, anunciou nesta quinta-feira um forte aumento do lucro líquido no ano passado por sinergia vinculadas à compra em 2016 da rival SABMiller, capital britânico e sul-africano.

Em 2017, o lucro líquido da AB InBev aumentou 64,2%, a 7,967 bilhões de dólares. O volume de negócios registrou alta de 5,1%, a 56,44 bilhões de dólares.

O grupo espera para um 2018 um forte crescimento do volume de negócios e do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), com mais vendas por hectolitro acima da inflação e uma alta mais leve dos custos.

A empresa proprietária de cervejas como Budweiser, Stella Artois e Corona, entre outros, viu o Ebitda - que serve de referência para as previsões internas - avançar 13,4%, a 22,084 bilhões de dólares, em 2017.

"A fusão com a SABMiller superou nossas expectativas com um resultado mais importante que a soma de suas partes", comentou no comunicado a direção da AB InBev, precisando que as "sinergias dos custos" são maiores e mais rápidas que o previsto.

De concreto, a operação implicou uma poupança nos custos de 1,304 bilhão de dólares em 2017.

O grupo tem previsto centrar seu crescimento a partir de agora no desenvolvimento de suas marcas globais que progrediram em 2017, e nas cervejas especiais.

A AB InBev afirma, além disso, ter superado o resultado do setor no Brasil, seu segundo mercado mais importante, "apesar das difíceis condições macroeconômicas".

Nos Estados Unidos, seu principal mercado, o grupo consegiu aumentar levemente sua Ebitda (+1,9%), apesar das dificultades da Budweiser e da Bud Light, que perderam cota de mercado.

"Não estamos satisfeitos com nosso resultado em termos de cotas de mercado e estamos trabalhando para encontrar um equilíbrio entre a cota de mercado e a rentabilidade no país", concluiu o grupo.

Mais Economia