Bolsas

Câmbio

México alerta EUA para represálias por tarifação ao aço

México, 6 Mar 2018 (AFP) - O México vai tarifar as exportações com maior "sensibilidade política" dos Estados Unidos se Washington insistir em não excluir seus parceiros norte-americanos das pesadas tarifas que planeja impor sobre aço e alumínio importados, disse nesta terça-feira (6) o ministro mexicano da Economia, Ildefonso Guajardo.

"O que teríamos que fazer é aumentar uma resposta sobre aquelas coisas que eles exportam onde há mais sensibilidade política e entrar exatamente nesses bens. Temos capacidade para responder", disse Guajardo à emissora Televisa.

Já o secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse nesta terça-feira que, quando for assinado o novo Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), Canadá e México ficarão isentos das tarifas.

"No caso de Canadá e México, nosso objetivo é ter um novo Nafta, e uma vez que o fizermos (...) as tarifas não se aplicarão a eles", disse Mnuchin a uma subcomissão da Câmara de Representantes.

Contudo, tudo indica que os dois países enfrentarão tarifas sobre suas exportações de metais, pelo menos durante algum tempo, dado que as sanções estão previstas para esta semana e a última rodada de renegociação do Nafta acabou na segunda-feira, sem um acordo iminente.

Trump disse que a exceção dependerá de uma renegociação com um acordo "justo" para Washington.

O ministro mexicano afirmou que estão sendo analisados quais bens americanos poderiam ser incluídos nesta lista.

"Não a tornaremos pública até vermos na nossa frente exatamente o que vão fazer", acrescentou.

Moisés Kalach, coordenador dos empresários mexicanos que acompanham a negociação no chamado "quarto ao lado", explicou que tem sido feito lobby nos estados governados por republicanos necessários para uma eventual reeleição de Trump em 2020 e que têm um importante intercâmbio comercial com o México.

"Ali está a chave, a chave é chegar ao detalhe que isso vai afetar Michigan, vai afetar Wisconsin", disse Kalach à Televisa.

Estados como Texas, Novo México e Arizona têm no México um importante destino de suas exportações.

"Tem que mandar dardos políticos para lá, em grupos que podem fazer lobby na Casa Branca, para que essas tarifas realmente doam. Não é um assunto econômico e só. É um assunto muito político", acrescentou Kalach.

A última vez em que o México impôs tarifas aos Estados Unidos foi em janeiro de 2016, quando estabeleceu tributos compensatórios a maçãs procedentes de lá, alegando que os frutos entravam no país com preços artificialmente baixos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos