Bolsas

Câmbio

Aliados e adversários dos EUA denunciam ataque ao livre comércio

Berlim, 9 Mar 2018 (AFP) - Aliados e adversários de Washington denunciaram nesta sexta-feira (9) a guinada protecionista americana e um ataque contra o livre comércio após o anúncio de Donald Trump sobre uma controversa tarifação, que faz temer uma guerra comercial internacional.

A Alemanha, um dos principais países exportadores do mundo, reagiu com firmeza após um ataque de Trump nesta quinta-feira por seu grande excedente comercial e, ao mesmo tempo, por um gasto militar que considera muito baixo.

"Observamos com preocupação o aumento das taxas sobre alguns produtos", afirmou a chanceler Angela Merkel em coletiva de imprensa em Munique, defendendo o diálogo para evitar um conflito comercial porque "ninguém ganhará uma corrida assim".

"Trump isola seu país, contra a opinião de seu partido, de diversas empresas e de economias", tinha afirmado antes a ministra alemã de Economia, Brigitte Zypries. "É protecionista, é uma afronta a sócios próximos, como a União Europeia e a Alemanha, e ao livre-comércio.

Os aliados francês e britânico também criticaram as medidas americanas, enquanto a China, segunda maior economia mundial, denunciou "um ataque deliberado ao sistema comercial multilateral".

- Medidas de represália -UE e Pequim criticaram sobretudo o argumento usado por Trump, de defesa nacional, para impor as tarifas de 25% às importações americanas de aço e de 10% às de alumínio.

"Não podemos ser uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos, então esperamos ser isentos", afirmou a comissária europeia de Comércio, Cecilia Malmström. A Europa exporta 5 bilhões de euros de aço e 1 bilhão de euros de alumínio aos Estados Unidos por ano.

O Ministério de Comércio chinês denunciou um abuso, e o chefe da diplomacia, Wang Yi, prometeu uma resposta apropriada em caso de guerra comercial com Washington.

Com entrada em vigor prevista para daqui a 15 dias, os europeus já estabeleceram uma lista de medidas de represália contra produtos americanos emblemáticos, como manteiga de amendoim e suco de laranja.

Tóquio, maior aliado dos EUA na Ásia, também sinalizou a possibilidade de adotar "medidas apropriadas".

A Casa Branca afirmou que todos esses países poderiam negociar uma eventual isenção. "Vamos mostrar muita flexibilidade", garantiu Trump.

Assim, o Canadá - maior parceiro comercial e fornecedor de aço e alumínio dos Estados Unidos - e o México não serão afetados "por enquanto". Seu destino dependerá do desfecho das negociações em curso do Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta).

- Gasto militar na Otan -O presidente americano assinou nesta quinta os controversos documentos que marcam a virada protecionista, 13 meses depois de sua chegada ao poder. Ele garantiu que o país foi vítima, durante décadas, de práticas comerciais desleais.

Trump apontou especialmente à Alemanha, associando a questão comercial aos gastos militares no âmbito da Otan.

Berlim, assim como os outros países da Aliança Atlântica, se comprometeu a aumentar até 2024 seu gasto de defesa a 2% de seu Produto Interno Bruto (PIB), frente ao 1,2% atual.

Mas para convencer os social-democratas a se unirem ao seu novo governo, após seis meses de bloqueio político, Merkel precisou reduzir o ritmo do aumento previsto. Assim, o gasto só deve chegar a 1,5% do PIB em 2021 - longe do objetivo da Otan.

- Revolta entre republicanos -Até nos Estados Unidos o anúncio da tarifação gerou revolta, inclusive nas filas do Partido Republicano de Trump. Muitos legisladores discordam da opinião do magnata de que guerras comerciais "são boas e fáceis de ganhar".

Seu principal conselheiro econômico, Gary Cohn, também em desacordo, pediu demissão na terça-feira.

O presidente republicano da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, expressou claramente sua desaprovação, enquanto o senador Jeff Flake anunciou um projeto de lei para anular estas tarifas.

burs-alf/ylf/neo/acc.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos