ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Plano de racionamento elétrico é ativado na Venezuela

15/03/2018 16h41

Caracas, 15 Mar 2018 (AFP) - O governo da Venezuela começou a aplicar nesta quinta-feira (15) um racionamento de eletricidade em quatro estados do país, expondo uma redução dos níveis de água nas represas que produzem energia, informou a Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec).

A autoridade "informa os moradores do estado Táchira que devido à redução dos níveis de água nas represas do sudeste, será aplicado um plano de administração de carga, a partir de 15 de março, com duração de quatro horas diárias", escreveu a estatal no Twitter.

A medida se estende aos estados ocidentais de Mérida, Trujillo e Barinas, segundo a Corpoelec.

Nos últimos dias foram constantes os apagões de várias horas nessas regiões, o que gerou pequenos protestos em Mérida e Trujillo.

O ministro da Energia Elétrica, Luis Motta Domínguez, visitou nesta quarta-feira os principais reservatórios de Táchira e Mérida e garantiu que a capacidade de geração diminuiu devido aos baixos níveis de água.

"Dos 1.100 megawatts que devemos gerar, estamos gerando apenas 150. Esse é o motivo pelo qual essas interrupções do serviço imprevisíveis estão acontecendo", disse ele.

Durante a inspeção, o ministro da Economia e da Água, Ramón Velásquez, garantiu que as chuvas na área foram "abaixo da média" desde outubro passado.

Uma seca prolongada em 2016 forçou o racionamento em quase todo o país.

Os apagões são frequentes na Venezuela. O governo garante que eles acontecem devido à sabotagem da oposição ao sistema elétrico, mas os opositores denunciam a falta de manutenção e a corrupção.

O presidente Nicolás Maduro ordenou à Força Armada que ativasse um plano especial contra uma "guerra ao sistema elétrico" em 24 de fevereiro, dois dias após um apagão em grandes áreas da parte ocidental do país.

Em 6 de fevereiro, setores de Caracas e de outros dois estados ficaram sem eletricidade por três horas. O mesmo aconteceu no dia 2 de fevereiro na capital e em cinco entidades.

Mais Economia