Bolsas

Câmbio

Trump vai impor tarifas de US$ 50 bi a importações da China

Washington, 22 Mar 2018 (AFP) - O presidente americano, Donald Trump, vai impor tarifas de cerca de 50 bilhões de dólares sobre produtos chineses importados, uma retaliação contra o suposto roubo de propriedade intelectual americana - anunciou a Casa Branca nesta quinta-feira (22).

A iniciativa foi denunciada por Pequim, que prometeu "lutar até o fim" se os Estados Unidos insistirem no confronto.

O anúncio fez os mercados de ações despencarem, com temores de que os Estados Unidos provocassem uma guerra comercial. O índice industrial Dow Jones perdeu mais de 700 pontos.

Anunciando como a "primeira de muitas" ações comerciais, Trump assinou a ordem que também almeja restringir o investimento chinês nos Estados Unidos.

"Temos uma situação tremenda de roubo de propriedade intelectual acontecendo", disse Trump, quando assinou a nova ordem comercial.

As novas tarifas ainda não foram impostas, mas o representante comercial americano (USTR) Robert Lighthizer deve divulgar nas próximas duas semanas uma lista de produtos que seriam alvo das taxas, seguido de um período de comentário público.

Enquanto Trump avançou em direção ao confronto, Pequim alertou repetidamente que as guerras comerciais não beneficiam ninguém e que não vai ficar de braços cruzados enquanto Washington impõe novas tarifas.

Num pronunciamento duro, a embaixada da China em Washington alertou que um confronto vai prejudicar os Estados Unidos.

"Se tiver início uma guerra comercial, a China lutará até o fim para defender seus interesses legítimos com todas as medidas necessárias", apontou.

O vice-presidente americano Mike Pence afirmou que as novas medidas são apenas mais uma "promessa feita e cumprida pelo presidente Trump". A ação "deixa claro que a era da rendição econômica acabou", disse Pence.

Ao mesmo tempo, nesta quinta-feira, Washington anunciou a isenção das tarifas - que entram em vigor nesta sexta-feira - a países como Brasil, Argentina, México e os integrantes da UE.

- Fracassos anteriores -O conselheiro econômico sênior da Casa Branca, Everett Eissenstat, afirmou à imprensa que as novas tarifas aduaneiras serão voltadas para setores industriais, nos quais "a China procurou adquirir vantagem por meio da aquisição injusta, ou da transferência forçada de tecnologia de empresas americanas".

A medida também pede para o Tesouro nacional desenvolver novas propostas que ampliem as salvaguardas em investimentos que podem comprometer a segurança nacional americana.

Além disso, o USTR vai mover ações contra a China na Organização Mundial de Comércio (OMC) - um organismo criticado por Trump e seus funcionários -, acusando Pequim de impedir o licenciamento livre de tecnologia de empresas americanas na China.

Funcionários da Casa Branca anunciaram na quinta-feira as ações aconteceram após anos de esforços fracassados para convencer a China a mudar seu comportamento.

"Esses diálogos fracassam nos governos Bush e Obama", afirmou o conselheiro comercial da Casa Branca Peter Navarro à imprensa.

Navarro disse que Trump tinha se esforçado para encorajar Pequim a cooperar com as súplicas americanas de abrir os mercados chineses e dar fim a práticas injustas, convidando o presidente Xi Jinping aos Estados Unidos e viajando à Ásia ele próprio em novembro.

- Proteger-se -Os Estados Unidos tiveram um déficit comercial de 333,2 bilhões de dólares com a China no ano passado

A indústria americana, e o setor agropecuário em particular, bem como integrantes do Partido Republicano, expressaram preocupações excepcionais de que as medidas de Trump possas despertar medidas de retaliação e prejudicar as exportações americanas.

Mas Navarro disse à imprensa que a China se beneficiou muito mais com as relações comerciais com os Estados Unidos que o contrário, o que significa que pode ser difícil para Pequim retaliar.

Em depoimento ante um comitê do Senado antes do anúncio, Lighthizer disse que as áreas para aplicar as novas tarifas deveriam ser justamente os setores em que o planejamento econômico de Pequim indica uma visão de dominação mundial.

Elas incluem equipamentos aeroespaciais e aeronáuticos, equipamentos de transporte marítimo e ferroviário, veículos de novas energias, equipamentos agropecuários e produtos médicos avançados.

"Em cada um desses, eles dizem que querem ser o mais autossuficientes em dois ou três anos e basicamente dominante mundialmente em 2025", disse Lighthizer.

"Em algumas áreas, você só tem que se proteger deles, para que eles não fiquem em uma posição na qual a indústria americana seja dizimada por eles".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos