ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Popularidade de tigres, leões e ursos pode prejudicar sua conservação

12/04/2018 21h03

Tampa, Estados Unidos, 13 Abr 2018 (AFP) - Animais icônicos como elefantes, tigres, leões e ursos pandas aparecem continuamente em filmes, livros e lojas de brinquedos, o que altera a percepção que o público tem do estado de perigo em que essas espécies se encontram, apontaram pesquisadores nesta quinta-feira.

Pesquisadores americanos e franceses analisaram os resultados de pesquisas on-line, sites de zoológicos, filmes de animação e questionários escolares e publicaram um estudo na revista científica PLOS Biology.

Em função desses dados, os cientistas elaboraram uma lista dos dez animais mais carismáticos: tigres, leões, elefantes, girafas, leopardos, pandas, jaguares, ursos polares, lobos cinzentos e gorilas.

Os pesquisadores também viram que quase 49% dos bichos de pelúcia vendidos nos Estados Unidos ou na Amazon que não eram ursinhos eram um dos 10 animais mais carismáticos.

Na França em 2010 foram vendidos 800.000 bonecos "Sophie La Girafe" (a Girafa Sophie), mais de oito vezes o número de girafas que vivem na África.

O autor principal do estudo, Franck Courchamp, da Universidade de Paris, apontou que esses animais são tão populares que criam uma "população virtual" na mente das pessoas, que acham que suas populações estão melhor do que realmente estão.

"Sem saber, as companhias que usam girafas, jaguares ou ursos polares com fins comerciais podem estar contribuindo ativamente para dar a impressão falsa de que esses animais não estão em perigo de extinção nem necessitam conservação", indicou Courchamp.

"A presença desses queridos animais em lojas, cinema, televisão e em uma grande variedade de produtos confunde o público, fazendo com que pensem que eles estão bem", explicou o coautor William Ripple, um professor de ecologia florestal da Universidade americana de Oregon.

Os pesquisadores sugeriram que as companhias que usam estes animais em suas ações de marketing doem parte dos lucros a grupos de conservação.

Mais Economia