ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Justiça europeia confirma restrição a pesticidas nocivos para abelhas

17/05/2018 16h42

Luxemburgo, 17 Mai 2018 (AFP) -

O Tribunal Geral da União Europeia confirmou nesta quinta-feira (17) as restrições impostas desde 2013 ao uso de três neonicotinoides, inseticidas considerados nocivos para as abelhas, que haviam sido contestadas pelas empresas Bayer e Syngenta.

Sem aguardar a decisão da justiça europeia, a UE já havia decidido no fim de abril ampliar a primeira proibição - concentrada em três substâncias: clotianidina, tiametoxam e imidacloprida - a todos os cultivos a céu aberto e não apenas aos de estufa.

Em 2013, a UE já havia adotado restrições sobre as três substâncias. Mas duas gigantes do setor químico, diretamente afetadas, apelaram contra a decisão, a suíça Syngenta e a alemã Bayer. A primeira também solicitava uma indenização de pelo menos 368 milhões de euros (434 milhões de dólares).

A moratória parcial incluiu as plantações que atraem as abelhas (milho, girassol, entre outros), com algumas poucas exceções.

O tribunal rejeitou a totalidade dos recursos da Bayer e Syngenta.

A decisão foi baseada em estudos que ressaltam a "preocupação" pelas condições como foram aprovados os neonicotinoides, apesar da UE dispor de regras de proteção das abelhas para salvaguardar seu papel de polinização da flora e dos cultivos aráveis.

Uma primeira avaliação negativa da Agência Europeia para a Segurança dos Alimentos (Efsa) provocou as restrições de 2013.

A agência confirmou sua opinião no final de fevereiro deste ano, apoiando o desejo do Executivo da UE de ampliar a proibição.

"Os riscos apontados pela Efsa justificavam a conclusão de que as três substâncias deixaram de cumprir os critérios de aprovação", explica o tribunal em um comunicado.

O princípio de precaução também permitia uma ação neste caso preciso, completou o tribunal.

- "Risco hipotético" -"Esta decisão é decepcionante e lamentável", reagiu a Syngenta em um comunicado. A empresa suíça considera que a decisão europeia se baseia em um "risco hipotético".

A alemã Bayer se declarou "decepcionada" e disse que "examinará a decisão, suas consequências e eventuais opções jurídicas". O grupo químico "continua estando convencido de que seus produtos são seguros se utilizados corretamente".

"A gestão deste caso preciso reflete nossa preocupação mais geral sobre o enfoque escolhido pela Comissão para regular as tecnologias no âmbito da agricultura", explicou a Syngenta.

"Uma normativa previsível, transparente e baseada na ciência" é necessária para produzir "de forma duradoura uma alimentação acessível, segura e local, e alimentar mais de nove bilhões de habitantes até 2050, cuidando do nosso planeta", acrescenta.

O Greenpeace comemorou a medida. "A decisão fixa as prioridades da UE: seu primeiro dever é proteger as pessoas e a natureza, e não os lucros das empresas. É uma ata de acusação contra as medidas intimidatórias das empresas que deveria impulsar a Comissão a agir contra outros pesticidas perigosos sem medo de ser questionada ante a justiça", opinou Franziska Achterberg, do escritório desta ONG em Bruxelas.

mla/zap/acc-me/age/db/mvv

Mais Economia