ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Taxa de desemprego dos EUA registra maior queda em 18 anos

01/06/2018 18h07

Washington, 1 Jun 2018 (AFP) - A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu, em maio, a 3,8%, seu nível mais baixo em 18 anos, segundo as cifras do Departamento do Trabalho publicadas nesta sexta-feira (1).

Durante maio, foram criados 223 mil postos de trabalho a mais que o previsto, o que fez com que a taxa de desemprego caísse um décimo de ponto, a mais baixa desde abril de 2000.

Com a redução de mão de obra em todo o país e em vários setores e níveis, os últimos dados confirmam um aumento dos salários.

A taxa de desemprego entre afro-americanos caiu bastante nesse mês, chegando a 5,9%, contra 6,6% em abril. Esse é o menor nível desde que o governo começou a fazer este registro, em 1972.

O presidente Donald Trump celebrou esses dados como a principal conquista de sua política econômica.

"Alcançamos mais um recorde com desemprego de 3,8% que acaba de ser anunciado e outro recorde histórico de desemprego entre afro-americanos", disse Trump após a divulgação dos dados.

Mais tarde, ele voltou a comemorar os fortes resultados.

"Temos um país tão grande agora", disse ele. "Temos alguns dos melhores dados econômicos que já tivemos como nação (...) e estamos construindo algo muito especial".

Mas muitos economistas e empresas alertaram que os empregos e o crescimento econômico podem ser vítimas das políticas comerciais de confronto de Trump, que incluem tarifas elevadas sobre aço e alumínio aplicadas contra aliados importantes nesta sexta.

Trump quebrou o protocolo tuitando sobre o relatório uma hora antes do lançamento, sugerindo que os números seriam positivos.

Os dados mostram que a renda média por hora aumentou 0,3% no mês passado, a 26,92 dólares, um valor 2,7% mais alto que no ano passado.

E o ritmo de contratação está reduzindo o número de trabalhadores disponíveis - definidos como aqueles que estão trabalhando ou ativamente procurando emprego. Esse foi o principal fator por trás da taxa de desemprego mais baixa.

Com os ganhos salariais finalmente acima da meta de 2% do Federal Reserve (Fed), o banco central ficará atento para ver se os salários crescentes se traduzirão em altas de preços.

No entanto, o Fed sinalizou claramente que está disposto a aceitar uma inflação levemente acima de 2% por um período curto.

Mais Economia