Bolsas

Câmbio

Sánchez, com as mãos atadas ante 'urgências' sociais na Espanha

Madri, 6 Jun 2018 (AFP) - O socialista Pedro Sánchez prometeu atender as "urgências" sociais na Espanha, um objetivo praticamente inalcançável para um governo fraco e sem margem de ação por seus compromissos com Bruxelas, em um momento delicado no horizonte econômico, de acordo com economistas.

Chegado ao poder na sexta-feira depois de retirar o conservador Mariano Rajoy com uma moção de censura, Sánchez assegurou nesta quarta-feira (6) que seu governo lutará "contra todo o tipo de desigualdade".

Baixos salários e aposentadorias, precariedade trabalhista, falta de igualdade salarial de gênero, cortes na saúde pública: ele mesmo enumerou os seus desafios.

Aos 46 anos e sem experiência de governo, Sánchez recebe um país que, após superar a crise, encadeou quatro anos de crescimento, três deles acima de 3%, mas que continua tendo a segunda pior taxa de desemprego da zona do euro, 16,7%.

Com o recorde da União Europeia (UE) com assalariados com contrato temporário (26,8%), a quarta economia da zona do euro apresenta um déficit em seu sistema de aposentadoria de 18 bilhões de euros.

Com o aguardado aumento dos tipos de juros do Banco Central Europeu e um petróleo em alta, "o cenário daqui a dois anos pode ser de desaceleração econômica e do ritmo de criação de empregos, e esse é o cenário que Pedro Sánchez terá que gerir", afirma Emilio González, professor de Economia da Universidade Pontifícia Comillas ICAI-ICADE.

De imediato "Sánchez não tem muita margem de ação porque se comprometeu a executar os orçamentos de 2018" do governo conservador e de cumprir "com o objetivo de déficit público marcado por Bruxelas", resume o professor de Economia da IE Business School, Juan Carlos Martínez Lázaro.

Os orçamentos de 2018 incluem um aumento do gasto público de quase 3%, embora o governo anterior tenha garantido a redução da dívida a 97% do PIB e do déficit a 2,2%, graças a um crescimento projetado de 2,7% este ano.

Com apenas 84 assentos socialistas no Parlamento, distante da maioria absoluta de 176, a "primeira dor de cabeça" para Sánchez será conseguir apoio para fixar o teto dos gastos, fundamental para preparar o orçamento de 2019, adverte Antonio Barroso, do escritório Teneo Intelligence.

Semanas atrás, os socialistas esboçaram a possibilidade de aumentar o gasto mediante novos impostos a rendas altas, aos bancos, ou às transações, estas últimas para sustentar as aposentadorias.

"O problema é que esses impostos dão pouca arrecadação", opina Martínez Lázaro, considerando que subir outros impostos delicados para a população como o da renda "seria suicídio" para os socialistas.

Sánchez também anunciou um alto comissariado para a pobreza infantil e analisa uma lei de igualdade salarial.

"Existem questões sociais que podem ser feitas, mas, no final, devem estar acompanhadas de contribuições orçamentárias" para não ficar no nada, adverte Martínez Lázaro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos