ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Bayer conclui compra da Monsanto e aposta na agricultura intensiva

07/06/2018 13h50

Berlim, 7 Jun 2018 (AFP) - A Bayer se converteu nesta quinta-feira em líder mundial de sementes, fertilizantes e pesticidas, após concluir a compra, por 63 bilhões de dólares, da americana Monsanto, anunciou o grupo farmacêutico e agroquímico alemão.

A maior compra por uma empresa alemã no exterior foi anunciada pela Bayer nesta quinta-feira em nota, afirmando que a integração com a Monsando começará "dentro de alguns meses".

Segundo o acordo alcançado em maio com o Departamento de Justiça americano para equilibrar a concorrência, a Bayer precisa antes concluir a venda de 9 bilhões de dólares de suas atividades - que vai ceder principalmente à alemã BASF.

Quando esta etapa for superada, o irlandês Liam Condon, membro da direção da Bayer, vai assumir a divisão agroquímica ("Crop Science") da nova empresa, que se torna líder mundial das sementes, principalmente transgênicas, e dos produtos fitossanitários.

A operação representa "um alto risco para a reputação, mas também enormes oportunidades de mercado", segundo o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung.

A nova empresa vai conservar os produtos da Monsanto, como o Roundup - um dos herbicidas mais usados no mundo, mas acusado de ser nocivo para a saúde -, mas deixará de usar o nome Monsanto, objeto durante décadas dos protestos de ativistas do meio ambiente.

Mas Bayer vai manter o nome de marcas muito conhecidas entre seus clientes agricultores como Dekalb (sementes de milho e colza), Seminis (sementes hortícolas) ou De Ruiter (sementes hortícolas).

- Concentração -"Alimentar uma população mundial crescente é um desafio de longo prazo para o qual queremos contribuir", anunciou nesta terça-feira o CEO da Bayer, Werner Baumann, ao jornal Handelsblatt.

Ao lançar a operação de compra, a Bayer detalhou sua visão do planeta até 2050: um mundo com 10 bilhões de pessoas para alimentar e terra arável limitada e afetada pelo aquecimento global.

Com 115 mil funcionários e uma renda anual combinada de 45 bilhões de euros - dos quais 19,7 bilhões de euros apenas para os negócios agroquímicos -, o futuro da Bayer vai liderar um setor em pleno processo de concentração empresarial.

No ano passado, a empresa norte-americana Dow Chemical fundiu-se com sua compatriota DuPont, e a chinesa ChemChina comprou a empresa suíça Syngenta por 43 bilhões de dólares, duas operações que preocuparam ambientalistas.

"Os três novos clusters", DowDupont, ChemChina-Syngenta e Bayer, "vão controlar mais do que 60% do mercado de sementes e agroquímicos", "irão fornecer quase todos os OGMs (organismos geneticamente modificados)" e "terão a maioria das patentes sobre as plantas", destacou no ano passado a Fundação Heinrich Böll, próxima aos ecologistas alemães.

- Preocupação -"O modelo de desenvolvimento" encarnado pelo futuro grupo "está no lado oposto da transição (...) para um modelo sustentável e respeitoso do meio-ambiente", lamentou no Twitter o eurodeputado socialista Eric Adrieu.

A Bayer responde prometendo "escutar" e "trabalhar junto" com seus críticos, mas reitera que a agricultura "é um tema importante demais para que divergências ideológicas impeçam o progresso".

Sobre o futuro do glifosato, um pesticida muito questionado na Europa, e dos OGM, o futuro do setor depende em grande medida das futuras políticas meio-ambientais e de segurança alimentar.

"Os continentes em pleno auge são África e América Latina", enquanto Estados Unidos e Ásia "continuam desenvolvendo sua agricultura com preocupações meio-ambientais", e a Europa se distingue por sua hostilidade com os OGM, resumia nesta segunda-feira o presidente da Bayer França, Frank Garnier.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia