PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Sissi inaugura projetos de energia no Egito

24/07/2018 13h26

Cairo, 24 Jul 2018 (AFP) - O presidente egípcio Abdel Fattah al-Sissi inaugurou nesta terça-feira projetos de energia em todo o Egito, enquanto o país aumenta seu excedente de produção de eletricidade depois de anos de cortes de energia que atingiram o pico em 2014.

Os cortes de energia foram um fator-chave por trás dos grandes protestos de rua que levaram à retirada em julho de 2013 do presidente Mohamed Mursi, do Egito, pelos militares, liderados na época por Sissi.

Sissi, eleito presidente um ano depois, prometeu acabar com a escassez de energia, especialmente após os apagões no verão de 2014.

"Há questões no Egito que precisavam ser corrigidas há muito tempo, por causa das circunstâncias no Egito, e não devido a falhas de governos (anteriores)", disse Sissi na inauguração, transmitida ao vivo pela TV estatal.

Os novos projetos incluem três estações que produzirão 14.400 megawatts de eletricidade, disse Mohamed Erfan, chefe da Autoridade de Controle Administrativo do Egito, na cerimônia.

As usinas, que custaram US$ 7 bilhões, ficam localizadas na nova capital que está sendo construída a leste do Cairo, na província de Kafr el-Sheikh, ao norte da capital, e na província de Beni Suef, ao sul, disse Erfan.

As estações, construídas pela empresa Siemens, incluem "a maior estação de refrigeração a ar do mundo" na capital, disse o ministro da Eletricidade, Mohammed Shaker.

Cada uma das estações pode produzir 4.800 megawatts de eletricidade, de acordo com uma apresentação em vídeo na cerimônia, que contou com a presença do CEO da Siemens, Joe Kaeser.

Shaker disse que o Estado gastou 28,8 bilhões de dólares em projetos de energia desde junho de 2014 para conter a falta de recursos que remonta a pelo menos 2008.

Esses projetos "alcançaram um superávit de produção de eletricidade de 25%, o que contribuirá para garantir futuras necessidades de eletricidade em todo o país, além de exportar uma parte", disse Erfan, acrescentando que será economizado US$ 1 bilhão por ano em combustível.

c/cc

SIEMENS