ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Ex-presidente do Fed Alan Greenspan, cuja morte foi anunciada, está vivo

09/10/2018 15h02

Washington, 9 Out 2018 (AFP) - O ex-presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) Alan Greenspan, de 92 anos, está vivo e bem, disseram pessoas de seu entorno, negando um tuíte de uma conta fake em nome do economista William Nordhaus - que recebeu o Prêmio Nobel da Economia no dia anterior - que comunicava sua morte.

"O ex-presidente do Fed Alan Greenspan faleceu", disse o tuíte.

Uma hora depois, foi publicado um segundo tuíte: "Esta conta é falsa, criada pelo jornalista Tommaso Debenedetti".

Mas a notícia já tinha se espalhado rapidamente na internet, levando a própria esposa do "morto", Andrea Mitchell, a negar a fake news, também pelo Twitter.

"Até agora, os rumores são enganosos", disse Mitchell, que é correspondente da NBC, referindo-se ao fato de que a morte de Alan Greenspan já havia sido falsamente anunciada no passado.

"Alan está bem, na verdade, ele está lançando um livro na semana que vem!", acrescentou.

A AFP não conseguiu entrar em contato com o jornalista italiano Tommasso Debenedetti para confirmar ou negar esta informação.

No fim de agosto, foi o cineasta franco-grego Costa Gavras, de 85 anos, que teve que negar a sua própria morte, anunciada por vários veículos de comunicação internacionais em uma conta falsa do Twitter também atribuída a este repórter.

Se de fato ele é o autor da fake news, Debenedetti é reincidente: já "matou" alguns personagens, como JK Rowling, Mikhail Gorbachev, Fidel Castro ou o papa, afirmando que seus falsos tuítes são uma ferramenta para denunciar os "pontos fracos" da mídia e a "fragilidade das redes sociais".

"Só faço com personalidades de primeira ordem, que têm todos os meios necessários para desmentir rapidamente. Nunca anunciaria a morte de um escritor de segunda ordem ou meu vizinho", disse ele em 2013 em uma entrevista à AFP.

William Nordhaus não estava imediatamente disponível para comentar.

A Universidade de Yale, onde ele leciona, simplesmente confirmou que era uma conta falsa do economista usada para fins de engano.

Mais Economia