ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Roberto Azevedo adverte para riscos de guerra comercial

06/12/2018 02h00

Washington, 6 dez 2018 (AFP) - Todos perderiam com uma guerra comercial, advertiu nesta quarta-feira o diretor da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevedo, em Washington.

Azevedo, que desde 2013 dirige a OMC, admitiu que a organização precisa de reformas, mas rejeitou os que afirmam que o comércio internacional é a principal causa da perda de postos de trabalho, um argumento utilizado pelo presidente americano, Donald Trump.

"O sistema poderia ser melhor", admitiu Azevedo em um discurso no qual elogiou a vontade dos países do G20 para reformá-lo, manifestada na recente Cúpula em Buenos Aires.

"Devemos eliminar a ideia de que o comércio internacional é uma equação onde há um ganhador e um perdedor", disse Azevedo sobre a filosofia da administração Trump.

Desde que assumiu a presidência, em janeiro de 2017, Trump tem promovido ações unilaterais, denunciado tratados comerciais e imposto tarifas para corrigir o déficit comercial dos Estados Unidos, que vê como um sinal de fraqueza.

Na opinião de Azevedo, "todos podem aproveitar" os benefícios do comércio.

O diretor da OMC manifestou sua satisfação com a trégua comercial temporária obtida entre China e Estados Unidos na reunião de Trump com o presidente chinês, Xi Jiping.

Sem um acordo, o crescimento global estará em risco, advertiu Azevedo.

"O resultado de todas as simulações é que o comércio e o crescimento desacelerarão e todos os países, sem exceção, perderão com uma guerra comercial global".

Azevedo reconheceu a ansiedade de uma economia em crise e considerou que a mudança tecnológica é a causa da perda de empregos no planeta, mas reafirmou que, ao contrário, o comércio é "um motor de crescimento, produtividade, inovação e criação de empregos".

O diretor da OMC ficou otimista após a reunião do G20: "Estou convencido de que esta é uma oportunidade, já que há apenas uma a cada geração para reformar o sistema comercial internacional".

Mais Economia