PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

City de Londres acompanha angustiada a novela do Brexit

13/03/2019 11h22

Londres, 13 Mar 2019 (AFP) - Epicentro britânico das finanças, a City de Londres vive angustiada com a interminável novela do Brexit, principalmente depois da nova rejeição pelo Parlamento do acordo com Bruxelas, e torce para que os deputados rejeitem, nesta quarta-feira (13), uma saída abrupta e sem acordo daquilo que foi acertado com a União Europeia.

"Já é hora de o Parlamento parar com este circo", reclama Carolyn Fairbairn, presidente do sindicato patronal do país.

Depois de criticar "o fracasso dos políticos", a chefe do IWC espera agora que os legisladores "fechem a porta com urgência para um Brexit duro".

Na terça, os deputados britânicos rejeitaram claramente, pela segunda vez, o acordo costurado pela primeira-ministra Theresa May com a UE sobre as condições do divórcio.

Como consequência, nesta quarta, dirão se aceitam a ruptura sem acordo em 29 de março, uma hipótese muito temida nos meios empresariais e econômicos, que preveem uma catástrofe.

"Estamos à beira do precipício. Os políticos de todas as tendências precisam superar suas diferenças", implorou Catherine McGuinness, a principal executiva política da City, o pulmão financeiro do Reino Unido e da Europa.

Os economistas do Banco da Inglaterra alertaram para as sérias consequências do crescimento. A libra cairia, e os preços das importações disparariam, reduzindo o consumo das famílias. Além disso, complicações administrativas gerariam filas enormes nos portos mercantes.

"Um Brexit sem um acordo seria catastrófico para a indústria automotiva, acabaria com o livre-comércio com a UE, custaria bilhões em despesas adicionais e levaria a cortes de empregos", denunciou o diretor-geral da Associação Britânica de Fabricantes de Automóveis (SMMT), Mike Hawes.

- Medidas de urgência -Prova de que o governo leva a sério a hipótese de um Brexit "duro" é que publicou uma série de medidas que seriam aplicadas para amenizar suas consequências. Estas medidas incluem a redução de tarifas, que seriam aplicadas a apenas 13% dos produtos importados.

Ao contrário dos meios de negócios, os mercados reagiram com tranquilidade à rejeição parlamentar do acordo de saída, e a libra se mantinha sólida.

A Bolsa de Valores de Londres permanecia estável nesta quarta-feira, embora alguns títulos bancários, ou industriais, como a Rolls-Royce, tenham sofrido com essa incerteza.

"O mercado está confiante em que não haverá Brexit sem acordo, uma hipótese que os deputados certamente rejeitarão", disse Michael Hewson, analista da CMC Markets, à AFP.

Uma certa ansiedade antes do Brexit era visível nesta quarta-feira entre os funcionários desta empresa de serviços financeiros, constatou a AFP em seus escritórios na cidade.

Quase três anos após o referendo, esta saga interminável e indigesta já faz parte do cenário britânico.

Os grandes agentes financeiros têm muito a perder antes de deixarem a UE. Entre outras coisas, isso significa ficar sem o passaporte financeiro europeu, o que permite oferecer os serviços do Reino Unido para todo continente.

Se os deputados votarem contra um Brexit sem um acordo nesta quarta, votarão novamente na quinta-feira para pedir um adiamento, ou não, do divórcio efetivo da UE, marcado para 29 de março.

Esta situação obriga o ministro das Finanças, Philip Hammond, a ser extremamente cauteloso em sua declaração orçamentária também marcada para esta quarta-feira.

O ministro, chamado de "Phil, o contador", disse que manteria algumas reservas orçamentárias acumuladas nos últimos meses, se os deputados rejeitassem na noite de terça o acordo proposto por May, o que de fato aconteceu.

ktr-pn/jbo/ved/me/zm/cn/tt

LONDON STOCK EXCHANGE GROUP PLC

ROLLS-ROYCE HOLDINGS

LLOYDS BANKING GROUP