PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Cepal reduz projeção de crescimento da América Latina em 2019

31/07/2019 14h11

Santiago, 31 Jul 2019 (AFP) - A América Latina crescerá apenas 0,5% este ano, abaixo do 1,3% estimado em abril, devido a uma deterioração generalizada na maioria dos países, especialmente da América do Sul, segundo previsões da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) divulgadas nesta quarta-feira (31).

Para o Brasil, o organismo prevê uma expansão fraca, de 0,8%.

A região está mergulhada em "incerteza e desaceleração (...), já são cinco anos de desaceleração econômica. Este é um assunto de enorme preocupação", alertou a secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena, ao apresentar o relatório em Santiago.

O colapso da economia venezuelana, que deve recuar 23% neste ano, é o principal motor da queda na região. Em meio a uma profunda crise política, o país caribenho arrasta para baixo a América do Sul, que também sofre com o recuo previsto de 1,8% na Argentina.

Um cenário global desfavorável - com fortes quedas nos preços das commodities - e o baixo dinamismo do mercado interno na maioria dos países são um peso para a região, que concluiu 2018 com uma expansão de 0,9%.

"Diferentemente de anos anteriores, em 2019 a desaceleração será generalizada e afetará 21 dos 33 países da América Latina e do Caribe. Em média, espera-se que a América do Sul cresça 0,2%, a América Central 2,9% e o Caribe 2,1%", aponta o relatório da Cepal.

Além das recessões na Argentina e na Venezuela, o crescimento fraco estimado para o Brasil ficaria longe do dinamismo das economias do Peru, da Colômbia e do Chile, com expansões de 3,2%, 3,1% e 2,8%, respectivamente.

Bárcena caracterizou o crescimento econômico de toda a região como "muito medíocre", à exceção da América Central, que crescerá 2,9% graças ao vigor das remessas enviadas do exterior.

gfe/pau/gm/ll