IPCA
0,1 Out.2019
Topo

'Bloqueio interno', outro grande inimigo da economia cubana

01/08/2019 12h00

Havana, 1 Ago 2019 (AFP) - Em Cuba, sabe-se que seus antigos inimigos da Guerra Fria não são os únicos a lhe causar problemas. Além do bloqueio dos Estados Unidos, a ilha enfrenta travas internas que afetam sua economia.

Pela primeira vez em seis décadas de Revolução, um presidente cubano e militante do Partido Comunista dá um nome à excessiva burocracia para trâmites e investimento estrangeiro, à corrupção no varejo e à importação compulsiva: "bloqueio interno".

Em 13 de julho, diante do Parlamento, o presidente Miguel Díaz-Canel pediu que se trabalhe para "quebrar o bloqueio interno" e exigiu uma "atitude proativa, inteligente, comprometida e coletiva".

"Muito saudável que o presidente se refira às coisas por seu nome e que seja audacioso nas análises dos problemas", elogia o economista Pavel Vidal, ex-analista do Banco Central de Cuba.

- Excesso de importação -A ilha socialista importa 80% dos alimentos que consome. Segundo o último dado disponível, em 2017, suas importações chegaram a 10,172 bilhões de dólares contra 2,402 bilhões em exportações.

O governo americano de Donald Trump intensifica o embargo em vigor desde 1962, com restrições para envios de combustível e ameaças de demandas para os sócios estrangeiros que operam na ilha.

Para Cuba, tem sido cada vez mais difícil importar e ter liquidez para essas operações. Os bancos internacionais correm o risco de serem multados, se participarem de intercâmbios comerciais com Havana.

Isso afeta a capacidade de pagamento a fornecedores, complica o acesso ao crédito e gera desabastecimento com alta de preços.

Díaz-Canel critica "a mentalidade importadora" de Cuba. "Importar acomoda e se transforma em um vício que mata a iniciativa", alega.

Estão em andamento oito projetos estatais para impulsionar a produção local de frango e porco. "Por enquanto, a proposta continua sendo concentrada no Estado, um modelo que fracassou por décadas", disse Vidal.

O setor estatal funciona com uma moeda supervalorizada. A reforma implica um ajuste na taxa cambial e a eliminação da dupla moeda circulante, além do fechamento de empresas ineficientes, afirma o economista.

Para Díaz-Canel, subestimou-se o aporte do emergente setor privado, que emprega mais de 590.000 pessoas - em torno de 13% da força de trabalho.

Por enquanto, as leis que favorecem o setor caminham devagar, provavelmente atravancadas por aspectos ideológicos. Ainda assim, seu reconhecimento na nova Constituição é visto como uma conquista.

- Chega de lamentos -O ministro da Economia, Alejandro Gil, reconhece "deficiências internas": problemas de produtividade, déficit em investimentos, baixa receita com exportações, desvios de recursos, indisciplinas, travas e burocracia.

"Como disse o presidente, nós não podemos decretar o fim do bloqueio, mas podemos nos concentrar em resolver os problemas internos", afirma Gil.

o analista político cubano Arturo López-Levy, professor na Gustavus Adolphus College, em Minnesota, vê uma mudança de atitude no alto escalão.

"Esse discurso, no qual o Partido Comunista reivindicava o mérito na sinceridade de anunciar tempos piores, está acabando. O governo tem que anunciar como vai resolver os problemas", completou.

Sem sair da retórica revolucionária, Díaz-Canel parece ter isso claro: "Da geração histórica, de Fidel e de Raúl [Castro], aprendemos a deixar de lado o lamento inútil e a nos concentrarmos em buscar saídas", comentou López-Levy.

O sucessor dos irmãos Castro deve reformar o sistema econômico de viés soviético para evitar uma crise similar à dos anos 1990, conhecida como "período especial". A crise se deu, basicamente, pela queda da então União Soviética, seu maior sócio comercial. Agora, a economia está mais diversificada e tem outras alternativas.

"São mudanças possíveis e que o governo pode fazer por si próprio. Não tem que esperar que as condições externas mudem", considera López-Levy.

- Como enfrentar a situação -Cuba avança lentamente na reforma de seu modelo. Desde julho, aumentou o salário médio de 30 para cerca de 50 dólares e, esta semana, foram publicadas normas para garantir a estabilidade nos preços e evitar a inflação.

Especialistas pedem um uso mais eficiente do combustível e a promoção da agricultura urbana. Cuba aposta no desenvolvimento do turismo, um de seus principais motores econômicos.

Para López-Levy, o presidente demonstrou iniciativa e capacidade de trabalho em equipe, sabendo lidar com uma geração histórica que é o farol que guia o país.

"O problema é que continua à margem dos problemas estruturais, e Cuba não tem todo tempo do mundo", alerta.

mav/rd/gma/tt

Economia