IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Foxconn admite que bolsistas fizeram horas extras em suas fábricas da China

09/08/2019 14h34

Taipé, 9 Ago 2019 (AFP) - A taiwanesa Foxconn, que fabrica produtos para Apple e Amazon, entre outros, admitiu nesta sexta-feira (9) que fez estudantes bolsistas trabalharem horas extras e durante a noite em suas fábricas na China.

O comunicado da Foxconn responde a uma investigação do jornal britânico The Guardian, que revelou que centenas de estudantes entre 16 e 18 foram obrigados a trabalhar horas extras para fabricar assistentes virtuais para a Amazon.

Segundo o jornal The Guardian, os adolescentes das escolas próximas à cidade de Hengyang, no sul da China, tiveram que trabalhar horas extra e durante a noite como "parte de uma tentativa polêmica e muitas vezes ilegal de alcançar as metas de produção".

Foxconn, a maior empresa terceirizada de produtos eletrônicos do mundo, disse um comunicado que havia reforçado a supervisão de seu programa de bolsas com as escolas "para nos assegurar que, sob quaisquer circunstância, os bolsistas terão permissão para trabalhar horas extras ou durante a noite".

A empresa dá trabalho a mais de um milhão de pessoas na China e é a companhia privada que mais pessoas emprega em país.

Há vários anos, a companhia tem sido criticada por casos de suicídio de seus funcionários, protestos dos trabalhadores e o uso de menores em algumas de suas fábricas.

Em 2012, Foxconn admitiu ter feito adolescentes de 14 anos trabalharem em suas fábricas na China.

HON HAI PRECISION INDUSTRY (FOXCONN)

AMAZON.COM

Mais Economia